Deputado democrata atribui a Obama derrota em eleição de NY

Um deputado democrata atribuiu nesta quinta-feira à impopularidade do presidente Barack Obama sua derrota em uma eleição suplementar num distrito de Nova York que por mais de 80 anos só elegeu membros de seu partido para a Câmara dos Deputados.

EDITH HONAN, REUTERS

15 Setembro 2011 | 20h15

A vitória do ex-executivo de mídia Bob Turner, um republicano, na votação de terça-feira, foi vista como um mau prenúncio para os candidatos democratas e para o próprio Obama na eleição geral de 2012. A eleição nesse distrito, que abrange as regiões do Queens e Brooklyn, foi convocada para preencher a vaga deixada na Câmara pela renúncia do deputado democrata Anthony Weiner, envolvido em um escândalo sexual no Twitter.

O candidato democrata derrotado, o deputado estadual David Weprin, disse que o resultado foi uma "lamentável consequência" de uma campanha que se tornou "um referendo" sobre o governo Obama.

"A mensagem da campanha (do seu rival Turner) foi: 'Mande um recado a Obama'", disse Weprin. "Acho que o problema foi que ele é o presidente, as pessoas estão frustradas, e é natural descontar no cara lá em cima... ou no partido do cara lá em cima."

"Por mais que eu tenha tentado fazer disso (uma escolha entre) David Weprin ou Bob Turner, não acho que isso tenha ecoado junto aos eleitores. Acho que os eleitores viram como um referendo sobre o presidente", disse ele, acrescentando que não considera que o escândalo envolvendo Weiner tenha influenciado no resultado.

A eleição suplementar também revelou a fraqueza de Obama junto ao eleitorado judaico, que deve ser crucial em 2012 em Estados politicamente estratégicos como a Flórida. Judeus conservadores tradicionalmente votam nos democratas.

Mas, desta vez, democratas ilustres, como o ex-prefeito de Nova York Ed Koch, expressaram apoio aos republicanos, em protesto contra uma suposta má vontade de Obama contra Israel.

Com a vitória de Turner (e do candidato republicano em outra eleição suplementar no mesmo dia, num distrito de Nevada que já era republicano), a maioria da oposição na Câmara passou para 242-192 deputados.

Outros democratas tentaram minimizar a derrota, dizendo que nos últimos anos o distrito já manifestava uma inclinação republicana, e que esse fato não irá influenciar na eleição de 2012, quando Obama buscará um novo mandato.

"Não acredito que isso nos diga muito sobre o que irá acontecer em 2012", disse o ex-presidente Bill Clinton. "O que isso nos diz é que o povo norte-americano quer ver algumas melhoras na economia."

Em entrevista, Clinton admitiu também que a pressão do governo Obama sobre Israel pela retomada das negociações com os palestinos pode ter influenciado.

"(Os eleitores judeus) entendem que às vezes nossas posições serão diferentes, mas eles querem ter certeza de que, quando divergimos do governo israelense em questões políticos, ninguém irá acreditar que não estaremos lá para (garantir a) segurança de Israel."

(Reportagem adicional de Michelle Nichols)

Mais conteúdo sobre:
EUAELEICAONY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.