Diocese na Califórnia aprova saída da Igreja Episcopal dos EUA

Uma diocese californiana daIgreja Episcopal dos Estados Unidos decidiu, em votaçãohistórica neste sábado, se separar da igreja depois de anos dedivergências em relação aos direitos de mulheres e gays. Representantes clericais e leigos da Diocese Episcopal deSan Joaquin, em Fresno, Califórnia central, decidiram deixar aigreja, que vem enfrentando dissidências desde 2003, quandoseus fiéis norte-americanos consagraram seu primeiro bispo gay. A votação pela separação teve 173 delegados a favor e 22contra, muito mais do que os dois terços necessários. Na dissidência dos últimos anos, a Igreja Episcopal disseque 32 de suas 7.600 congregações deixaram a igreja, com outras23 decidindo por deixar em votação, mas não chegando a tomar asmedidas finais. San Joaquin foi a primeira diocese entre as 110da igreja a se separar completamente. No ano passado, a Diocese de San Joaquin --que tem 8.800membros e 47 igrejas-- decidiu, em votação em sua convençãoanual, se separar da igreja, mas a decisão final foi adiada atéa reunião deste sábado. "Esta é a primeira vez, acredito, que a uma diocesefinalmente disse 'basta' para a teologia liberal da IgrejaEpiscopal", disse o bispo John-David Schofield, da diocese deSan Joaquin.As divisões e cismas sempre estiveram presentes no Cristianismodesde seus primeiros anos, mas a expressão de diferenças pelamídia e pela Internet em questões sociais polêmicas comodireitos dos gays e de mulheres colocaram essas disputas--antes debatidas a portas fechadas-- em grande proeminência. Em anos recentes, a Igreja Episcopal enfrentou dissidênciasna ordenação do bispo Gene Robinson, de New Hampshire, e ocasamento gay praticado por algumas congregações. Também há divergências quanto ao papel da mulher. SanJoaquin é uma entre três dioceses dos EUA que não ordenapastoras. A Igreja Episcopal dos EUA é comandada por umamulher, a bispa Katharine Jefferts Schori. IGREJA DA ELITE Com 2,4 milhões de membros, a Igreja Episcopal representamenos de 1 por cento da população do país, mas seus membros têmuma influência desproporcional na vida política e social dosEstados Unidos. Figuras históricas como George Washington, BenjaminFranklin e Thomas Jefferson eram episcopais. No século 20,Franklin Roosevelt, George H.W. Bush (pai do atual presidente)e Gerald Ford também seguem a fé episcopal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.