Diplomata dos EUA se demite por estratégia na guerra afegã

Ex-combatente no Iraque alegaou desacordo com a postura de Barack Obama sobre o combate ao Taleban

Agência Estado e Associated Press,

27 de outubro de 2009 | 11h09

Um ex-combatente que tornou-se diplomata é o primeiro funcionário americano a se demitir em protesto contra a estratégia dos EUA na guerra do Afeganistão, informou nesta terça-feira, 27, o diário The Washington Post. Matthew Hoh combateu no Iraque e trabalhava no Departamento de Estado quando deixou a carreira militar. Agora renunciou ao cargo de civil americano com mais poder na província de Zabul, um reduto do grupo extremista Taleban.

 

Veja também:

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

"Perdi a compreensão e a confiança nos propósitos estratégicos da presença dos Estados Unidos no Afeganistão", afirmou Hoh em sua carta de demissão, datada de 10 de setembro. "Tenho dúvidas e reservas sobre nossa estratégia atual e a projetada estratégia futura, mas minha renúncia não está baseada em como estamos levando essa guerra, mas sim no porquê e com que fim."

 

O representante especial do governo do presidente Barack Obama para Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, disse ao Post que não estava de acordo que "não valeria a pena a luta" na guerra. Mas admitiu que concorda em parte com a análise de Hoh.

 

Na segunda-feira, Obama prometeu apressar a decisão sobre se envia ou não mais milhares de soldados ao Afeganistão. "Eu não vou arriscar suas vidas a menos que seja absolutamente necessário", disse Obama a soldados na Flórida. Obama avalia as opções apresentadas pelo Pentágono, com diversos níveis de aumento das tropas.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistãotropasTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.