Diretora do Serviço Secreto dos EUA deixa cargo após invasão da Casa Branca

Diretora do Serviço Secreto dos EUA deixa cargo após invasão da Casa Branca

Na terça-feira ela declarou a um comitê do Congresso que assumia "plena responsabilidade" pelos lapsos de segurança

REUTERS

01 de outubro de 2014 | 20h12

A diretora do Serviço Secreto dos Estados Unidos, Julia Pierson, pediu demissão nesta quarta-feira depois que uma série de falhas de segurança na proteção do presidente dos EUA, Barack Obama, vieram à tona.

Pierson, que estava no cargo desde março de 2013, enfrentava pedidos recorrentes de renúncia dos legisladores norte-americanos na esteira de um incidente em 19 de setembro, quando um veterano da guerra do Iraque pulou a cerca da Casa Branca, correu pelo gramado e percorreu vários cômodos da mansão antes de ser detido.

Na terça-feira ela declarou a um comitê do Congresso que assumia “plena responsabilidade” pelos lapsos de segurança. Pierson entregou sua demissão ao secretário de Segurança Nacional, Jeh Johnson, que a aceitou.

Sua demissão ocorreu um dia depois da revelação de que, violando um protocolo, um funcionário armado de uma empresa de segurança particular andou de elevador com Obama em Atlanta no começo deste mês e filmou e fotografou o presidente com seu celular.

As falhas despertaram temores em Washington de que Obama não é tão protegido quanto deveria em uma época de distúrbios globais.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, declarou que Obama acredita que a renúncia de Pierson é do interessa da agência, e que relatos “recentes e cumulativos” de brechas na segurança levaram o mandatário a concluir ser necessária uma nova chefia no Serviço Secreto.

Os pedidos no Capitólio para que Pierson entregasse o cargo já vinham crescendo antes de sua renúncia. Mesmo com 30 anos de experiência no Serviço Secreto, ela não conseguiu inspirar confiança nos congressistas dos dois partidos durante a conversa de três horas e meia de terça-feira perante o Comitê de Supervisão e Reforma Governamental da Câmara dos Deputados.

Em resposta aos clamores dos legisladores por uma investigação independente do incidente, o Departamento de Segurança Nacional irá estabelecer uma comissão de especialistas independentes para averiguar o que aconteceu.

Joseph Clancy, um veteranos da divisão de proteção presidencial da agência, foi indicado como diretor interino nesse meio tempo.

(Por Steve Holland e Jeff Mason, com reportagem adicional de David Lawder)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMUDANCASERVICOSECRETO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.