Discurso de Bush incentivará cubanos a lutar por democracia

EUA não pretendem convocar rebelião armada, diz fonte do governo; presidente fala nesta quarta-feira

Reuters,

24 de outubro de 2007 | 10h09

O presidente norte-americano, George W. Bush, pedirá aos cubanos nesta quarta-feira, 24, que "assumam seu destino" ao pressionar por mudanças democráticas pacíficas no país. Em discurso sobre Cuba no Departamento de Estado, Bush descreverá o governo comunista cubano como um regime moribundo e indicará que as condições na ilha estão maduras para mudanças democráticas, afirmou uma autoridade norte-americana na noite de terça-feira. A fonte acrescentou que o presidente não está convocando uma rebelião armada, mas uma transição que ligou à queda do comunista no Leste Europeu. O líder cubano, Fidel Castro, não é visto em público há 15 meses. Ele sofre de uma doença intestinal não divulgada, que o levou a ceder o poder a seu irmão Raúl em julho de 2006. O representante do governo Bush, que conversou com repórteres sob condição de não ter seu nome revelado, disse que "há um elemento inquieto no povo cubano". "Isso será a verdadeira revolução cubana, eles buscando seus direitos e integrando-se à comunidade de democracias", disse. A notícia, na semana passada, de que Bush planejava fazer um discurso sobre Cuba provocou especulações de um possível grande anúncio, como o relaxamento de proibições de viagem à ilha ou mais um endurecimento de sanções. No entanto, tais anúncios não devem ocorrer e, em vez disso, Bush anunciará iniciativas mais modestas, como a que permite que instituições de caridade dos EUA ofereçam acesso a Internet a estudantes cubanos ou a de um programa de bolsas de estudo a jovens.

Tudo o que sabemos sobre:
BushCubaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.