Discurso de Obama ao Congresso é marcado para 25 de janeiro

O pronunciamento do Estado da União, a ser feito pelo presidente Barack Obama perante o Congresso dos Estados Unidos, foi marcado para 25 de janeiro. O tradicional discurso costuma ser o mais importante do ano, e serve para o presidente estabelecer prioridades legislativas.

REUTERS

11 de janeiro de 2011 | 19h43

"Como temos muitos grandes desafios pela frente na nossa nação, saudamos a oportunidade de ouvir suas propostas", disse o presidente da Câmara, o republicano John Boehner, no convite enviado na terça-feira à Casa Branca, marcando a data para o pronunciamento.

Ao contrário do que ocorreu nos dois primeiros anos de seu mandato, Obama agora precisa lidar com uma maioria da oposição na Câmara dos Deputados, o que deve obrigá-lo a ser mais modesto em suas propostas. Os republicanos também ampliaram sua presença no Senado na eleição parlamentar de novembro passado.

O discurso deve enfatizar o fortalecimento da economia e a criação de empregos, maiores prioridades domésticas do presidente democrata. Ele também deve mencionar áreas onde há possibilidade de consenso com os republicanos, como cortes de gastos públicos e reforma educacional.

Poucas semanas depois do discurso, Obama deve apresentar sua proposta orçamentária para o ano fiscal de 2012, que começa no próximo 1o de outubro.

Alguns políticos conservadores dizem que irão se opor a qualquer tentativa de aumentar o limite de endividamento público dos EUA se não houver um compromisso de redução dos gastos governamentais, num momento em que o déficit orçamentário se aproxima de 1,3 trilhão de dólares por ano.

O secretário do Tesouro, Timothy Geithner, tem especulado que o governo pode atingir o limite legal de endividamento até 31 de março, e que estourar esse teto sem uma ação do Congresso poderia ter "consequências econômicas catastróficas."

(Reportagem de Steve Holland)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMADISCURSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.