Discussões sobre dívida terão dias difíceis, diz Casa Branca

O chefe de gabinete da Casa Branca Bill Daley disse neste domingo que as negociações sobre o limite de endividamento dos Estados Unidos e a redução do déficit terão "dias difíceis" à frente e que chegar a um acordo em breve é crucial para manter a confiança dos mercados.

REUTERS

24 de julho de 2011 | 11h54

Falando no programa da NBC "Meet the Press," Daley se mostrou confiante que o Congresso agiria em tempo para aumentar o teto do endividamento, já que os líderes disseram que a moratória não é uma opção.

Daley acrescentou, contudo, que mercados ao redor do mundo estão esperando para ver se as autoridades nos EUA conseguem chegar a um acordo. "Estamos chegando ao ponto que mercados no mundo vão questionar se o sistema político pode chegar a um consenso e ceder para o bem maior do país," disse.

Daley afirmou que a Casa Branca busca um acordo que aumentaria o teto do endividamento para que outra votação sobre o tema não seja necessária antes das eleições de novembro de 2012.

Ele disse também que a Casa Branca está aberta a um processo em duas etapas no qual algumas reduções no déficit são acordadas no final deste ano ou no início do ano que vem. "Isto precisa ser em dois passos, mas o segundo passo deve nos levar até 2013 sem ter de passar por essa batalha ridícula sobre o aumento do teto do endividamento," acrescentou.

(Reportagem de Dave Clarke e Caren Bohan)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMADVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.