Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Lauren Victoria Burke/AP
Lauren Victoria Burke/AP

Discussões sobre voto final da reforma da saúde começam na Câmara dos EUA

Democratas previram arpovação da lei que dará cobertura médica a 32 milhões de americanos

21 de março de 2010 | 18h35

Associated Press 

 

WASHINGTON- Os líderes democratas na Câmara dos Representantes previram neste domingo, 21, que a votação final da história reforma da saúde do presidente Barack Obama alcançará ou excederá os 216 votos necessários para sua aprovação, embora ainda estejam em dúvida os votos de vários legisladores preocupados com a futura lei a respeito do aborto. As discussões que antecedem o voto final do projeto já começaram na câmara, e um discurso de Obama está previsto para o final da votação.

 

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, mostrou sua confiança ao sair da reunião com seu bloco com um grande martelo de madeira, liderando um grande grupo de parlamentares rumo ao Capitólio para a votação final. "Vamos fazer isto pelo povo norte-americano", disse. Mas um manifestante gritou para ela: "Estão fazendo isso ao povo norte-americano", enquanto outros cantavam: "Matem o projeto, matem o projeto".

 

Outros ovacionaram os democratas em sua entrada no Capitólio. Dentro do recinto, as negociações continuavam, enquanto as pessoas continuavam a protestar fora do edifício: "o povo não quer isso".

 

De acordo com os líderes democratas, apenas alguns poucos votos ainda eram desconhecidos, mas nenhum se atreveu a declarar a vitória.

 

O pacote legislativo, que é alvo de negociações há mais de um ano e afetará quase toda a população americana, dará cobertura médica a cerca De 32 milhões de pessoas que não têm seguro de saúde, proibirá que as seguradoras neguem serviços aos que estão doentes e reduzirá os déficits federais em US$ 138 milhões na próxima década.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.