Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Eleições de 2012 nos EUA terão gasto recorde de US$ 6 bilhões

Apenas o partido republicano realizará primárias; pleito presidencial ocorre em novembro

Reuters

30 de agosto de 2011 | 15h50

WASHINGTON - A eleição dos Estados Unidos em 2012 será a mais cara da história. As estimativas são de gastos de ao menos US$ 6 bilhões. Milhões virão de doações, enquanto republicanos e democratas buscam o controle da Casa Branca, do Congresso e de governos estaduais.

"É certo dizer que, dado que tivemos um ciclo de US$ 5 bilhões em 2008, o valor certamente ficará acima disso e muito provavelmente acima de US$ 6 bilhões, o que é uma taxa de crescimento impressionante", disse Sheila Krumholz, diretora-executiva do Center for Responsive Politics, que rastreia os gastos de campanha.

O custo da eleição é surpreendente, uma vez que apenas o Partido Republicano terá primárias presidenciais, diferentemente de 2008, quando ambos os partidos promoveram disputas dispendiosas para encontrar um candidato.

Um motivo para o alto custo desta vez é o poder de levantar fundos dos principais candidatos, mesmo numa época de crise econômica e alto desemprego. O presidente americano, Barack Obama, deve arrecadar ao menos US$ 760 milhões, levantados quando ele venceu a Casa Branca em 2008, ou mesmo chegar a US$ 1 bilhão.

O rival republicano de Obama precisará de uma quantia similar para competir. Dois dos favoritos dos republicanos, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney e o governador do Texas, Rick Perry, são bons arrecadadores de fundos. A republicana Michele Bachmann também é capaz de arrecadar dinheiro e foi quem mais arrecadou na Câmara dos Deputados em 2010.

A arrecadação de recursos em disputas do Congresso e em votações regionais também está aumentando a 14 meses das eleições de 6 de novembro. O dinheiro a ser levantado e gasto durante toda a campanha de 2012 é o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) de um país pequeno, como a Nicarágua.

Os candidatos de 2012 para o Senado e a Câmara registraram arrecadação de US$ 295,2 milhões nos primeiros seis meses de 2011, o total mais elevado já registrado para o primeiro semestre de um ano não eleitoral.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleiçõesdemocratasrepublicanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.