Em coletiva, Bush ameaça Irã e pressiona Musharraf

Presidente diz que Teerã sofrerá 'conseqüências' se armar iraquianos e pediu eleições 'livres' no Paquistão

Agências internacionais,

09 de agosto de 2007 | 12h14

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, advertiu o Irã em pronunciamento nesta quinta-feira, 9, de que haverá "conseqüências" caso Teerã envie armas aos rebeldes do Iraque.  Veja Também Fundamentos da economia dos EUA são sólidos, diz Bush  Ele também pediu ao presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, que conduza eleições livres e democráticas no país - algo que o líder do país asiático prometeu em declarações feitas mais cedo nesta quinta-feira. Segundo o presidente americano, as conversações de alto nível entre funcionários americanos e iranianos em Bagdá teve por objetivo "enviar a mensagem de que haverá conseqüências para aqueles que transportarem e entregarem armas sofisticadas" aos militantes que combatem as forças americanas no país árabe.  O pedido Para que Musharraf "realize eleições livres e justas" foi feito um dia após o presidente paquistanês ter descartado estabelecer "estado de exceção" no país e garantido a realização de eleições transparentes para enfrentar a instabilidade que atinge o Paquistão. De acordo com fontes próximas ao Governo paquistanês, por trás desta decisão estaria a pressão dos EUA. "Minha atenção no cenário doméstico no país é de que haja eleições livres e justas. É sobre isto que falamos com ele (Musharraf) e esperamos que faça isto", afirmou Bush. O presidente americano revelou ainda que havia pedido ao dirigente paquistanês para manter sua cooperação na luta contra o terrorismo, principalmente contra os guerrilheiros taleban e da rede terrorista Al-Qaeda. "Deixei claro que espero que haja plena colaboração no intercâmbio de inteligência", disse Bush, acrescentando que acredita que atualmente os dois países têm boa relação neste âmbito. O chefe da Casa Branca acredita que Musharraf adotará as medidas necessárias caso tenha informação de inteligência de grande utilidade. "Passamos muito tempo conversando com líderes do Paquistão sobre o que faríamos" com informação deste tipo. Bush disse acreditar que, quando for o caso, os terroristas serão levados à Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãPaquistãoGeorge W. Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.