Em Connecticut, Obama faz último esforço pelo controle de armas

O presidente dos EUA, Barack Obama, pediu na segunda-feira aos norte-americanos para que pressionem o Congresso a aprovar a nova lei de controle de armas, uma das suas prioridades atuais.

Reuters

08 de abril de 2013 | 21h06

Obama fez um apelo emocionado durante visita a Connecticut, Estado onde ocorreu em dezembro um massacre escolar que deu impulso à proposta de controlar a venda de armas nos EUA.

"Precisamos de uma votação", gritou ele.

Após um primeiro momento de apoio parlamentar às medidas, a proposta agora está parada no Congresso, onde enfrenta o forte lobby de entidades como a Associação Nacional do Rifle.

"Sei que muitos de vocês em Newtown (cidade onde ocorreu o massacre) se perguntaram se o resto de nós honraria as promessas que fizemos naqueles dias sombrios (...) depois que os caminhões de televisão fossem embora, depois que as velas se apagassem, depois que os ursinhos de pelúcia fossem recolhidos", disse Obama em um discurso na Universidade de Hartford. "Não vamos nos afastar da promessa que fizemos."

Desde 1994 o Congresso não aprova nenhuma lei importante sobre armas, e a atual ofensiva da Casa Branca está em apuros.

Obama espera angariar apoio parlamentar suficiente para aprovar várias medidas, incluindo a exigência de verificações de antecedentes para todos os interessados em comprar armas. O Senado deve começar a discutir a legislação já nesta semana.

(Por Roberta Rampton)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAARMAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.