Arquivo/AE
Arquivo/AE

Em discurso, Obama deve admitir responsabilidade por erros

De acordo com o 'The New York Times', presidente não deve mudar sua agenda devido à pressão da oposição

estadao.com.br,

27 de janeiro de 2010 | 10h32

O presidente dos EUA, Barack Obama, deve admitir alguns erros durante seu primeiro ano de mandato no discurso sobre o Estado da União desta noite, informou o jornal "The New York Times", nesta quarta-feira, 27. 

 

Um ano de Obama:

linkEconomia: Recuperação não é consenso

linkEntrevista: Crescimento será menor, diz Nobel

blog Patrícia C. Mello: Do messiânico ao prosaico

especial Especial: Dez momentos do primeiro ano 

documento Artigo: Falta ação concreta a Obama

O discurso, o primeiro do mandato de Obama, é feito anualmente perante o Congresso e será acompanhado em tempo real pelo Radar Global, o blog da editoria de Internacional do Estado, a partir das 0h.

De acordo com o Times, Obama deve aceitar a responsabilidade, mas não culpa, por não ter cumprido algumas das promessas feitas quando assumiu o cargo. Segundo assessores citados pelo jornal, no entanto, Obama não deve mudar sua agenda devido à pressão da oposição.

O governador do Novo México, Bill Richardson, um dos líderes democratas próximos do presidente disse ao "Times", que a postura de Obama deve ser bem recebida pelos americanos. "O povo americano quer ver mudanças e Obama precisa se reconectar com suas bases sem se transformar em algo que ele não é", disse.

Na véspera do discurso, assessores de Obama trabalharam com o presidente nos detalhes finais do pronunciamento, que deve dar as diretrizes gerais do governo até as eleições legislativas do final do ano.

Para assessores do presidente, ainda não está claro quanto do discurso será dedicado à reforma de saúde, uma prioridade da agenda doméstica de Obama que ainda precisa ser aprovada no Congresso.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse na terça-feira que pesquisas mostram que os americanos são favoráveis a alguns pontos do projeto, mas se opõem ao plano devido à complicada discussão no Congresso. A Câmara e o Senado aprovaram textos diferentes e agora precisam adequá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.