Em novo vídeo, Bin Laden diz que 'EUA são vulneráveis'

Líder terrorista aparece de barba aparada e mais escura do que imagens veículadas pela Al Qaeda em 2004

REUTERS

07 de setembro de 2007 | 16h39

Os Estados Unidos são vulneráveis, apesar de possuírem poder econômico e militar, afirmou o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, em um vídeo divulgado pouco antes do aniversário de seis anos dos ataques de 11 de Setembro. Não estava claro o período de gravação do vídeo, obtido pela Reuters Television na Europa nesta sexta-feira, 7.  A autenticidade não pôde ser imediatamente verificada, apesar da imagem de Bin Laden ser similar a uma fotografia exibida em sites islâmicos da Web. Análises técnicas, porém, sugerem que a voz na fita de vídeo é do terrorista, segundo uma autoridade da Inteligência dos Estados Unidos.  No vídeo, o líder terrorista aparece de barba aparada e pintada e mais velho, conforme comparação da agência de notícias AP com imagens de vídeo divulgado em 2004. A imagem de Bin Laden no novo vídeo foi colocada na internet pelo site Al-Sahab. O site não deu indicação do conteúdo da mensagem ou de quando ela seria divulgada.  Segundo a rede americana CNN, não há ameaças evidentes ou menções sobre ataques da Al Qaeda. Referências cronológicas no vídeo indicam que as imagens foram filmadas recentemente, acrescentou a rede de televisão, citando uma autoridade não-identificada.  O governo dos Estados Unidos confirmou que obteve uma cópia de um vídeo, cuja existência havia sido divulgada na quinta-feira pelo grupo islâmico Al-Sahab, ligado à Al-Qaeda, emsite freqüentemente usado pela organização.  O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos diz que capturar ou matar Bin Laden continua sendo prioridade.  O último vídeo em que Bin Laden aparece foi divulgado em outubro de 2004. Na ocasião, o líder extremista ameaçou realizar novos ataques contra os Estados Unidos, às vésperas das eleições presidenciais americanas. Em janeiro de 2006 foi divulgada uma gravação de áudio de Bin Laden.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABINLADENVIDEO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.