Em resposta a Cuba, governo Obama pede libertação de presos

Raúl diz querer negociar 'tudo' com presidente americano; Casa Branca quer ações como liberdade à imprensa

Agências internacionais,

17 de abril de 2009 | 17h16

A Casa Branca voltou a pedir nesta sexta-feira, 17, que Cuba liberte os presos políticos e deixe de reter dinheiro nas remessas enviadas à ilha por cubano americanos. "Há ações que o governo cubano pode tomar se quer algum diálogo com o governo americano", disse o porta-voz da Casa Branca Robert Gibbs a bordo do avião que levava o presidente Barack Obama à Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago.

 

linkPolítica dos EUA para Cuba fracassou, diz Hillary Clinton

linkSecretário-geral da OEA pedirá volta de Cuba ao grupo

linkCuba diz que aceita negociar 'tudo' com Barack Obama

linkObama pede 'sinal' de Cuba para viabilizar relações

lista Principais pontos do embargo contra Cuba

especialEspecial: Os 50 anos da Revolução Cubana

 

"Eles realmente têm a liberdade para soltar presos políticos, certamente são livres para deixar de reter dinheiro das remessas e parar dar maior liberdade à imprensa", acrescentou, em resposta ao comentário do presidente cubano Raul Castro, que disse que seu país está aberto a dialogar com os EUA sobre qualquer tema.

 

"Mandamos dizer ao governo americano em privado e em público que estamos dispostos a discutir tudo: direitos humanos, liberdade de imprensa, presos políticos", afirmou Raúl, na Venezuela. No passado, as autoridades cubanas insistiam que a política nacional era um assunto interno.

 

Pouco depois da declaração do líder cubano, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, o elogiou. Segundo ela, o comentário é "muito bem-vindo". Hillary disse que seu país estuda seriamente a resposta a ser dada, após a declaração de Havana. "Vimos os comentários de Raúl Castro e acolhemos com satisfação essa declaração e a estamos tomando muito seriamente", disse Hillary, durante um encontro com jornalistas na República Dominicana.

 

No início desta semana, Obama anunciou o fim de algumas das restrições a Cuba, que estavam em vigor desde o segundo mandato de seu antecessor, George W. Bush. O presidente americano decidiu abolir o limite de viagens a Cuba por parte de cubano-americanos, que era de apenas 15 dias e só podia ser feito uma vez a cada três anos, e decretou o fim de limites a remessas de dinheiro à ilha, que eram restritas a US$ 100.

 

Obama também autorizou empresas americanas de telecomunicações a obter licenças para operar em território cubano. Mas ainda há poucas perspectivas de que o embargo econômico decretado pelos Estados Unidos em 1962 contra Cuba seja derrubado. Políticos americanos de diferentes partidos vêm pedindo por mais avanços por parte dos Estados Unidos nas relações com o com o país caribenho.

 

Uma pesquisa divulgada nesta semana pelo instituto World Public Opinion, de Washington, mostrou que 69% dos americanos defendem o restabelecimento de relações diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba e que 49% querem o fim do embargo contra a ilha.

 

(Com BBC Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
CubaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.