Divulgação/Efe
Divulgação/Efe

Empresa americana vende bonecas da espiã russa Anna Chapman

Empresa coloca brinquedo a venda na internet por US$ 29,95

Efe

23 de julho de 2010 | 15h14

A espiã russa Anna Chapman, uma dos nove agentes secretos deportados pelos Estados Unidos e que foi capa dos tablóides nova-iorquinos por sua beleza e longo cabelo vermelho, ganhou até uma boneca com seu rosto, que começa a ser vendida hoje pela Internet.

A empresa Herobuilders.com, com sede em Oxford (Connecticut), comercializa uma boneca tipo Barbie em duas versões, "The Predator" e "The Spy I Could Love" por US$ 29,95.

Em uma das bonecas, a sexy agente russa usa sua cabeleira vermelha, aparece muito musculosa, com calças azuis e uma camiseta branca, pronta para ação.

A outra boneca comercializada pela empresa americana vem apenas com uma saia de colegial e uma pistola na mão.

No começo de julho as autoridades americanas desarticularam uma rede de espiões a favor da Rússia, que depois foram deportados para Moscou e desde então tem a entrada em território americano proibida.

Deles, a mais popular foi Anna Chapman, uma jovem de 28 anos, proprietária de um negócio de vendas imobiliárias pela Internet divorciada de um britânico, de quem conservou o sobrenome. Seu ex-marido revelou umas fotos que ela fez seminua e que tempos depois circularam pela web.

O presidente da Homebuilders.com, Emil Vitale, soma à beleza russa à lista de bonecas de personagens famosos que sua empresa comercializa, entre eles a ex-governadora do Alasca e ex-candidata à vice-presidencia republicana, Sarah Palin, e o executivo-chefe da companhia petrolífera BP, Tony Haywards, que anunciou como "o homem mais odiado dos EUA e que em breve estará desempregado".

Na galeria de figuras de ação da Homebuilders também estão o presidente dos EUA, Barack Obama, e sua esposa, Michelle, assim como a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, o vice-presidente americano, Joe Biden, e o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.