Empresários e ministros brasileiros discutem tributação com Bush

Ministros e empresários pesospesados brasileiros se encontraram nesta segunda-feira com opresidente norte-americano, George W. Bush, para buscarimpulsionar um acordo que elimine a bitributação entre empresasde ambos os países, entre outras medidas.A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse após areunião que o tema da bitributação deve ser discutido antes doencontro de um grupo de 20 empresários brasileiros enorte-americanos reunidos na etapa do "CEO Fórum" marcada paraoutubro no Brasil. Um acordo deste tipo está paralisado há quatro décadas ediferenças nas legislação de ambos os países em relação aosigilo bancário tem impedido o avanço das negociações.O encontro, que também reunirá o secretário de Comércionorte-americano, Carlos Gutierrez, e o ministro brasileiro deDesenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge,buscará focar os esforços bilaterais até outubro em três temas. Alem da bitributação, estão na pauta sugerida pelosempresários o avanço da Rodada de Doa na OMC e a agilizarão doprocesso de concessão de vistos de negócios para empresáriosbrasileiros que querem fazer negócios nos Estados Unidos. O ministro Miguel Jorge disse a jornalistas que issoincluiria a contratação de mais pessoal por parte dasautoridades norte-americanas e mais postos de emissão devistos. Em contrapartida o Brasil se comprometeu a aumentar oprazo de duração do visto para negócios de 5 para 10 anosconforme estipula projeto de lei prestes a ir para o Congresso. Outro assunto abordado foi a possibilidade de um tratadobilateral de investimentos cuja a dificuldade Dilma admitiu. "Há assimetrias no setor de serviços", disse a ministra ajornalistas, acrescentando que acha possível avançar na áreaindustrial. Os empresários brasileiros que incluíam presidentes deempresas como Vale, Gerdau, Cutrale e Coteminas expressaramsatisfação pelo compromisso dos dois governos de levar essesassuntos adiantes mas cobraram mais agilidade na busca deresultados que facilitem os negócios entre os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.