Enfermeiro fica pendurado em pleno vôo e sobrevive nos EUA

Janela de bimotor se quebrou e homem foi sugado para fora a 6,1 mil metros

Agencia Estado

03 Julho 2007 | 15h41

Um enfermeiro de uma equipe de resgate aéreo lutou para não ser sugado para fora da cabine da aeronave e cair de uma altitude de quase 6.100 metros, segundo informa nesta terça-feira, 3, a rede de notícias CNN. "Acho que não era o meu dia de morrer", afirmou Chris Fogg, de 41 anos. O enfermeiro cuidava de um paciente durante um vôo em um pequeno avião bimotor quando a cabine sofreu uma descompressão e ele teve parte do seu corpo sugada para fora da aeronave. Ele tinha acabado de soltar seu cinto de segurança para pegar uma garrafa de água quando uma das janelas se quebrou. Segundo seu relato, publicado em um jornal local, ele teve seu braço direito e cabeça puxados para fora. "Qualquer outro acho que seria sugado completamente, mas por algum motivo eu não fui", disse Fogg, que sofreu ferimentos profundos na cabeça. Alguns equipamentos chegaram a voar para fora da aeronave. Fogg acredita que só não foi arremessado para fora da aeronave por seu peso - ele tem 99 quilos. "Minha mão esquerda estava apoiada no teto e meus joelhos estavam na parede", lembra Fogg. Ela diz ter se segurado o mais firme que pôde para conseguir puxar seu corpo de volta para dentro do avião. "Tive uma clara visão da cauda do avião e de minha cabeça balançando do lado de fora." Ao perceber que o avião tinha sofrido uma descompressão, diz Fogg, o piloto baixou para uma altitude segura para pouso. Logo em seguida, o piloto realizou um pouso de emergência para que a enfermeiro pudesse passar por atendimento médico. Ele levou 13 pontos na cabeça. Fogg diz que o tempo todo repetia para si mesmo: "não caia, não caia, eu tenho um paciente a bordo e tenho que cuidar dele". O homem, um vietnamita que assistiu à cena, não ficou em perigo pois estava preso a uma maca. "Foi assustador, de verdade", disse Fogg.

Mais conteúdo sobre:
Enfermeiro pendurado milagre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.