ENTREVISTA-Bush faz apelo por reconciliação em crise queniana

O presidente dos Estados Unidos,George W. Bush, fez um apelo nesta quinta-feira para osquenianos pararem a violência e pediu que o presidente doQuênia e o líder da oposição trabalhem juntos para resolver umadura disputa eleitoral que já levou a sangrentos tumultos. "É muito importante para as pessoas do Quênia nãorecorrerem à violência", disse Bush à Reuters em uma entrevistana Casa Branca. O Quênia, até agora um dos países mais estáveis e prósperosda África, tem passado por uma onda de violência que matou pelomenos 300 pessoas por conta da contestada reeleição dopresidente Mwai Kibaki em 27 de dezembro. Questionado se Kibaki e o líder da oposição Raila Odingadeveriam dividir o poder, Bush disse acreditar "que eles têmuma oportunidade de trabalhar juntos em algum tipo de acordoque ajudará a curar as feridas de uma eleição extremamentedividida." A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice,ligou pessoalmente para os líderes rivais para pedir queelaborem uma solução política e terminem com a onda deviolência. Rice telefonou para Kibaki nesta quinta-feira de manhã eOdinga na noite anterior, pedindo a ambos que "patrocinemalguma solução política à crise política", relatou o porta-vozdo Departamento de Estado, Sean McCormack. Kibaki pediu calma aos quenianos e ofereceu conversaçõescom rivais políticos nesta quinta-feira, após outro dia deconfronto entre a polícia e manifestantes. (Reportagem adicional de Paul Eckert)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.