ENTREVISTA-Desemprego de 8% nos EUA não basta, diz Romney

O pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos Mitt Romney disse nesta quinta-feira que os resultados econômicos do governo de Barack Obama são insatisfatórios, apesar de alguns tímidos sinais de recuperação, como a queda do desemprego, de 9 para 8,6 por cento.

REUTERS

22 de dezembro de 2011 | 19h45

"Ele (Obama) agora parece achar que um desemprego de 8 por cento seria um grande feito. Sinto muito, 8 por cento é um número excessivo para o desemprego neste país, e voltar aos 8 por cento não sugere uma presidência altamente bem sucedida", afirmou Romney à Reuters em New Hampshire, a bordo do ônibus de campanha.

"Esta é a recuperação pós-recessão mais prolongada que já vimos desde Hoover, e ele não conseguiu devolver os norte-americanos ao trabalho", afirmou Romney, referindo-se ao período da Grande Depressão, quando o presidente era Herbert Hoover.

Romney, um milionário ex-empresário, cita sua experiência no setor privado como um dos trunfos da sua candidatura, e diz que entende mais do que Obama de criação de empregos.

Uma pesquisa Reuters/Ipsos neste mês mostrou que o democrata Obama está se recuperando como candidato à reeleição, refletindo os sinais de melhoria na economia e o desgaste imposto aos pré-candidatos republicanos pela sua acirrada disputa interna.

Romney também rejeitou o desafio do seu rival Newt Gingrich, que o convidou para um debate de 90 minutos. "Vou debater no processo normal de debates", declarou.

"Já tivemos 10 ou 12 debates. No final, com o decorrer da campanha, espero que o debate se estreite para duas ou três pessoas ... Se Newt e eu formos finalistas, vamos ter a chance de fazer isso. Mas, no momento, vou continuar demonstrando respeito pelos outros candidatos, os quais por sinal estão se saindo bastante bem."

Gingrich chegou a liderar as pesquisas para receber a indicação republicana, mas depois viu seu favoritismo se esvair devido a ataques dos rivais, principalmente Romney. O processo de escolha do candidato começa no dia 3, no cáucus (assembleia eleitoral) de Iowa.

Abrindo outra frente de ataque contra Obama, Romney criticou a situação deixada pelos Estados Unidos no Iraque, onde uma onda de atentados matou 72 pessoas nesta quinta-feira, em meio a uma crise entre xiitas e sunitas que participam do governo, e que pode levar a um conflito de caráter sectário.

"Espero que esse risco não se realize. Espero que sejamos capazes de ver a estabilidade por lá, mas o fracasso do presidente em assegurar um acordo que mantivesse 10 mil a 30 mil soldados no Iraque tem de ser um dos fracassos marcantes dele", afirmou Romney.

(Reportagem de Steve Holland e Jim Gaines)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAROMNEYENTREVISTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.