ENTREVISTA-EUA querem nota de apoio da Apec sobre Doha--Schwab

Os Estados Unidos querem que a cúpuladesta semana de líderes da Ásia e do Pacífico termine com umadeclaração incisiva em favor das negociações comerciais globaisda Rodada de Doha, disse na segunda-feira a representantecomercial dos EUA, Susan Schwab. As negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC)serão retomadas nesta semana em Genebra, com a discussão detextos preliminares destinados a romper o impasse entre paísesricos e pobres a respeito da produção a mercados agrícolas eindustriais. Schwab, que está na Austrália para a cúpula do fórumCooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês),disse que o bloco irá emitir uma nota apoiando de formadecidida as negociações liberalizantes da OMC. "Conforme tais negociações são retomadas em Genebra, asreuniões ministeriais e de cúpula da Apec estão programadas demaneira crucial para influenciar tal processo, com umadeclaração forte dos líderes, uma declaração ministerial fortedando aval ao avanço das negociações", disse Schwab à Reuters. "Não voltamos a uma abordagem multilateral. Os textos estãoaí, e se não nos engajarmos na base desses textos, é difícilvermos um avanço em breve." Um comunicado preliminar do bloco diz que as economias daApec se comprometem em levar a Rodada de Doha para sua fasefinal ainda neste ano. "Endossamos a visão dos nossos ministros responsáveis porcomércio de que nunca houve uma necessidade mais urgente quefazer avanços", disse a nota, acrescentando que os líderes daApec acreditam na superação das divergências. Schwab disse que os países desenvolvidos precisam seempenhar mais no sucesso da Rodada de Doha, e que os EUA estãopreparados para fazer sua parte "e algo mais". Por outro lado, disse ela, países em rápidodesenvolvimento, como Índia, Brasil, China, Malásia eIndonésia, também têm um papel importante a desempenhar. A chamada Rodada de Doha foi lançada em 2001, mas há anosesbarra em discordâncias entre ricos e pobres, especialmente arespeito da redução de subsídios e tarifas agrícolas. Analistas dizem que a Rodada será abandonada se não houveravanços nos próximos meses, já que o processo ficaria sob apressão do ano eleitoral norte-americano. Schwab deve conversar com o diretor-geral da OMC, PascalLamy, durante a reunião da Apec, e será a representante dopresidente George W. Bush no domingo, último dia da cúpula. A Apec reúne 21 países, cerca de 46 por cento do comércioglobal e cerca de 60 por cento da atividade econômica mundial. Em 2006, mais de 60 por cento das exportações dos EUA, numvalor de 645 bilhões de dólares, foram para economias da Apec. Segundo Schwab, a reunião da Apec vai discutir a meta delongo prazo de que a Ásia-Pacífico se torne uma zona delivre-comércio e vai examinar também como consolidar dezenas deacordos comerciais bilaterais e multilaterais dentro daregião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.