ENTREVISTA-Geórgia e Otan compartilharão radares ainda este ano

Os radares da Geórgia devempassar a fazer parte do sistema de radares da Organização doTratado do Atlântico Norte (Otan) até o final do ano, ou antesdo que se previa e isso devido à preocupação com a posturaadotada recentemente pela Rússia, afirmou na quinta-feira oMinistério de Defesa georgiano. "Incidentes recentes levaram à realização de discussões emBruxelas, no quartel-general da Otan, a fim de acelerarmos osprocedimentos de modo a permitir que a Geórgia faça partedaquele sistema o quanto antes", disse o vice-ministro deDefesa do país, Batu Kuteliya, à Reuters. "Isso deve serconcluído no final do ano." O anúncio apareceu um dia depois de a Geórgia ter acusadoum avião russo de invadir seu espaço aéreo no começo da semanae duas semanas depois de ter acusado uma outra aeronave daRússia de deixar cair um míssil em seu território. O governo russo rebateu afirmando que as acusações sãodespropositadas. A integração dos radares georgianos com o sistema da Otansignifica que a aliança militar terá, em tempo real,informações sobre eventuais incursões ocorridas no espaço aéreoda Geórgia, disse Kuteliya em uma entrevista. O atual governo georgiano, pró-Ocidente, deu início aprocedimentos que podem acabar por fazer dessa ex-Repúblicasoviética um membro da Otan. A Rússia, que controlou a regiãodurante vários anos, opõe-se ao ingresso do país na aliançamilitar. A integração do sistema de radares deve tornar maiores aspreocupações da Rússia com a presença militar do Ocidente pertode suas fronteiras. A Geórgia selou uma aliança com os EUA evem recebendo ajuda militar norte-americana. A Rússia já critica o plano dos EUA de colocar parte de umescudo de defesa antimíssil na Polônia e na República Tcheca.E, depois de acusar a Otan de aumentar sua presença militar noLeste Europeu, avisou que não observará mais um tratado decontrole de armas. "Os dados fornecidos por nosso sistema de radares arespeito do espaço aéreo da Geórgia poderão ser consultados portodos os países da Otan. E isso em tempo real", disse Kuteliya. "Tudo ficará à disposição no quartel-general da Otan, nocomando central", afirmou. "Já concluímos a parte técnica do trabalho e compramosvárias unidades (de equipamentos) para sermos incorporados aosistema. Agora, há procedimentos técnicos e jurídicos sendorealizados na Otan para que façamos parte do sistema."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.