Equipes procuram até 30 vítimas de desabamento nos EUA

Autoridades confirmam quatro mortes, mas número pode chegar a 30; resgate descarta encontrar sobreviventes

Agências internacionais,

02 de agosto de 2007 | 11h14

Equipes de resgate procuravam na quinta-feira cerca de 30 pessoas desaparecidas no desabamento de uma ponte sobre o rio Mississippi, que provocou uma avalanche de concreto e aço e lançou carros de uma altura de vários andares.   Veja também Assista ao momento em que a ponte desaba  Reportagem da BBC Resgate descarta encontrar sobreviventes em queda de ponte  Ponte desmorona e deixa ao menos 7 mortos Investigadores federais estavam apurando as causas. A ponte de aço em Minneapolis, que tinha 40 anos, desmoronou na hora do rush verspertino de quarta-feira, 1. "Vamos cair na água", gritavam as pessoas, segundo testemunhas.O governador de Minnesota, Tim Pawlenty, disse à rede CNN que o número de mortos confirmados agora chegava a quatro, depois de ter sido informado que chegaria a nove. Cerca de 60 pessoas ficaram feridas, e algumas foram tiradas de veículos semi-submersos, enquanto outros conseguiram se salvar nadando.   "Não há dúvida de que o número de fatalidades vai subir", disse Pawlenty, à rede NBC. "E sabemos que há vários carros na água aonde não conseguimos chegar, e eles estão submersos desde ontem à noite." Na quinta-feira, autoridades locais diziam haver de 20 a 30 desaparecidos, inclusive alguns operários que trabalhavam na ponte e também caíram, de uma altura de cinco andares. Algumas das oito pistas da ponte estavam interditadas devido às obras. Testemunhas estimam que havia entre 50 e 60 veículos sobre a ponte naquele momento. Um ônibus escolar também foi envolvido no acidente. Sangrando e com arranhões, os 59 ocupantes, entre crianças e adultos, conseguiram sair pela parte traseira do veículo. "Havia fumaça e barulho, todo mundo gritando", contou uma menina.   Partes da ponte interestadual 35W romperam na quarta-feira por volta das 18h05 (20h05, horário de Brasília), caindo no rio, em suas margens e em uma outra estrada. Toneladas de concreto desabaram junto aos carros.   Os sobreviventes foram transportados à margem do Mississippi. Algumas pessoas estavam se segurando em pedaços da ponte que não caíram por completo no meio do rio.   "Obviamente, esta é uma catástrofe de proporções históricas", disse o governador de Minnesota, Tim Pawlenty. Jay Danz, que passou em uma avenida sob a ponte pouco antes do desabamento, disse ao Star-Tribune: "Ouvi [a estrutura] rachando e fazendo barulhos que não devia. E aí a ponte simplesmente começou a desmanchar."   Problemas estruturais Segundo Pawlenty, um relatório de 2005 do Departamento de Transportes fazia críticas à ponte, apontando "deficiências estruturais" e recomendando sua substituição.   Um estudo realizado pelo Departamento de transportes de Minnesota em 2001 apontou sérios problemas na estrutura da ponte. Dois anos depois, o Departamento Nacional de Transportes americano reconheceu que a ponte era "estruturalmente deficiente".   O jornal Minneapolis Star-Tribune disse que, numa escala de 0 a 9, a superestrutura da ponte recebeu nota 4.    O governador disse que a ponte havia sido inspecionada em 2005 e 2006. Autoridades federais estão a caminho de Minneapolis para participar da investigação.   Pawlenty afirmou que o Corpo de Engenheiros do Exército vai usar barcaças para remover os destroços daquele trecho de rio, agora interditado à navegação, que normalmente é uma importante artéria comercial do centro dos EUA.   Matéria alterada às 14 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte de MineápolisEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.