Escândalo sobre espionagem não afetará laços com EUA, diz Rússia

Depois de resposta agressiva da Rússia, Ministério das Relações Exteriores expressa otimismo

Reuters

30 de junho de 2010 | 12h46

MOSCOU - A Rússia disse nesta quarta-feira que a prisão de suspeitos de UA provável rede de espionagem russa pelos EUA mão afetaria as relações com Washington, baixando o tom depois de uma resposta inicial agressiva.

 

Em um primeiro momento, o Ministério das Relações Exteriores russo rebateu as ações americanas como "impróprias e sem base", e apontou que as prisões poderiam enterrar a disposição russa para uma relação mais próxima, levantando o espectro da diplomacia ao estilo da Guerra fria.

 

Mas nesta quarta-feira o ministério expressou seu otimismo de que o episódio não iria arruinar a relação iniciada pelo presidente Barack Obama e incorporada pelo presidente Dmitri Medvedev.

 

"Esperamos que o incidente envolvendo a prisão nos Estados Unidos de um grupo de pessoas suspeitas de espionar para a Rússia não afete negativamente as relações EUA-Rússia", disse um oficial do Ministério das Relações Exteriores em condição de anonimidade.

 

O Departamento de Justiça dos EUA anunciou na segunda que havia prendido 10 suspeitos de espionagem em quatro cidades do leste. Um décimo primeiro suspeito foi preso no Chipre na segundo e solto sob fiança.

 

Os suspeitos foram acusados de procurar informações sobre pesquisa de armas nucleares, mercado mundial de ouro e empregos na CIA, de acordo com promotores americanos.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAespionagemGuerra Fria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.