Escudo antimíssil dos EUA tem por alvo a Rússia, diz Medvedev

O presidente russo, DmitryMedvedev, disse na sexta-feira que o acordo firmado pelos EUAcom a Polônia para instalar ali parte de um sistema de defesaantimíssil mostra que o escudo volta-se, na verdade, contra aRússia. A Polônia aceitou, na quinta-feira, receber instalações dosistema norte-americano contra mísseis depois de o governo dosEUA haver concordado em melhorar o aparato de defesa aérea dospoloneses. "Essa decisão comprova claramente tudo o que dissemos hápouco tempo", afirmou Medvedev ao ser questionado sobre oacordo em uma entrevista coletiva realizada ao lado dachanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Sochi, uma cidadeportuária do mar Negro. "A instalação de forças antimíssil tem como alvo aFederação Russa", disse o presidente russo. A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice,em declarações dadas ao lado do presidente da Geórgia, MikheilSaakashvili, em Tbilisi, contra-atacou afirmando que os EUAhaviam tentado mostrar a Moscou que o escudo não tinha por alvoa Rússia. O embate entre norte-americanos e russos a respeito doescudo antimíssil aparece em meio à crise internacional surgidaem torno da Geórgia, um aliado dos EUA que pretende ingressarna Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Soldados russos expulsaram forças georgianas que tentaramretomar o controle sobre a região separatista da Ossétia doSul, pró-Rússia. Na sequência, militares russos ingressaram em váriascidades do restante do território georgiano, provocando a irados EUA -- algumas autoridades norte-americanas de primeiroescalão invocaram a memória da ocupação soviética no LesteEuropeu, ocorrida durante a Guerra Fria. O governo dos EUA diz que o sistema antimíssil visaproteger os EUA e seus aliados dos mísseis de longo alcance quepoderiam, no futuro, ser disparados pelo Irã ou por grupos comoa Al Qaeda. O governo russo argumenta que o sistema dirige-se contra aRússia e que mina a segurança dela. Generais russos, noentanto, vangloriam-se de que o escudo nunca seria capaz dedeter o gigantesco arsenal de mísseis da Rússia. Em um sinal de descontentamento da parte dos russos, oministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov,cancelou na quinta-feira uma viagem que faria a Varsóvia, emsetembro, disseram diplomatas poloneses. "O momento foi escolhido a dedo e, portanto, quaisquercontos de fada sobre dissuadir a ação de Estados inamistososcom a ajuda desse sistema antimíssil não funcionam mais",afirmou Medvedev. "Isso é triste para a Europa e para todo mundo que vivenesse continente densamente povoado. Mas isso não é dramático",acrescentou. "Vamos continuar a trabalhar sobre essa questão eestamos prontos para dar prosseguimento às negociações ao ladode todos os participantes. Claramente, porém, essa decisão nãoinstilará nenhum sentimento de calma". Ainda neste ano, a Rússia havia dito que lançaria mão de"instrumentos militares" não especificados caso os EUAinstalassem um escudo de defesa antimíssil perto das fronteirasdela. (Reportagem adicional de Ron Popeski e Marina Golovnina, emMoscou)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.