Estados Unidos aceitam participar de diálogo direto com Irã

Washington atuará com cinco países em negociações nucleares; gesto representa mudança às políticas Bush

Agência Estado e Associated Press,

08 de abril de 2009 | 19h14

A administração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, informou nesta quarta-feira, 8, que vai participar diretamente de um grupo de negociações sobre o programa nuclear iraniano, o que representa uma mudança em relação às políticas do ex-presidente George W. Bush, que qualificava o Irã como integrante do "eixo do mal". Na quinta, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, deverá fazer um importante anúncio na cidade de Isfahan, para marcar o Dia Nacional da Energia Atômica.

 

Veja também:

linkPotências oferecem nova rodada de negociação ao Irã

linkIsrael 'não é ninguém' para ameaçar o Irã, diz Ahmadinejad

linkIrã acusa jornalista irano-americana de espionagem

 

Ahmadinejad negou mais uma vez, nesta semana, que o objetivo do programa nuclear iraniano seja a construção de uma bomba atômica. O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Robert Wood, disse que os Estados Unidos estarão na mesa de conversações "de agora em diante" assim que os alto diplomatas dos cinco países que são membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Alemanha reunirem-se com funcionários iranianos para discutir a questão nuclear. A administração Bush geralmente evitava essas reuniões.

 

Wood disse que a decisão foi comunicada a representantes do Reino Unido, China, França, Alemanha e Rússia pelo diplomata de terceiro escalão William Burns, durante uma reunião nesta quarta-feira em Londres. O grupo anunciou mais cedo que vai convidar o Irã para participar de uma nova sessão de conversações com o objetivo de quebrar o congelamento das negociações.

 

"Os Estados Unidos estão comprometidos com o processo das seis potências. O que é diferente agora é que os Estados Unidos vão se unir às discussões do grupo com o Irã a partir de agora", disse Wood. Ele acrescentou que Washington espera que o Irã compareça.

 

"Se o Irã aceitar, esperamos que esta seja a ocasião para engajar seriamente o Irã sobre como superar o impasse dos últimos anos e trabalhar de uma maneira colaborativa para resolver as preocupações internacionais sobre o programa nuclear", continuou ele. "Qualquer avanço será o resultado de esforços coletivos de todas as partes, incluindo o Irã."

 

O convite oficial para o Irã participar das discussões deverá entregue pelo comissário de política exterior da União Europeia, Javier Solana. O Irã parece disposto a conversar. Ahmadinejad disse, embora não por canais oficiais, que as conversações com os EUA são bem-vindas, se Washington provar ser "honesto" o gesto de estender a mão a Teerã.

 

(Com Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.