Estrangeiros respondem ao chamado da Ucrânia para formar legião internacional

Estrangeiros respondem ao chamado da Ucrânia para formar legião internacional

Americanos e canadenses começam a responder ao chamado feito por Volodmir Zelenski no último domingo

Andrew Hay e Rod Nickel, Reuters

01 de março de 2022 | 01h42

Um desenvolvedor de software do Texas e um cozinheiro da Colúmbia Britânica estão entre dezenas de americanos e canadenses que responderam ao apelo da Ucrânia por voluntários estrangeiros para combater a invasão da Rússia.

Com seus governos se recusando a enviar tropas para a Ucrânia por medo de desencadear uma guerra mundial, americanos e canadenses disseram à Reuters que foram inspirados pela resistência feroz dos ucranianos. Muitos acreditam que seus direitos democráticos em casa podem acabar sendo prejudicados se não fizerem nada para defender a Europa.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski pediu no domingo, 27, a formação de uma "legião internacional". Alguns jovens voluntários viajaram direto para a Ucrânia para se alistar.

Outros estavam se candidatando em embaixadas e consulados ucranianos antes de deixar o emprego ou abandonar a universidade.

A mobilização estava ocorrendo quando a artilharia russa bombardeou a segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, na segunda-feira, o quinto dia de conflito.

"Sinto-me culpado por não ir", disse Dax, de 26 anos, veterano da 82ª divisão de infantaria aerotransportada do Exército dos EUA, que planejava se mobilizar com outros ex-militares americanos. Como muitos voluntários, o nativo do Alabama se recusou a dar seu nome completo em meio a discussões nas mídias sociais sobre a necessidade de manter suas identidades e movimentos em segredo por razões de segurança.

O canadense Bryson Woolsey deixou o emprego de cozinheiro no domingo depois de ver o apelo de Zelenski. Ele não tem treinamento militar e planeja comprar uma passagem de avião para a Polônia, atravessar para a Ucrânia e se voluntariar para o combate.

"Senti que precisava fazer alguma coisa", disse Woolsey, de 33 anos, de Powell River, Colúmbia Britânica, que ficou inquieto ao ver imagens de mulheres e crianças feridas na Ucrânia.

Em Quebec, o médico Julien Auger, de 35 anos, estava se preparando para deixar sua jovem família para se tornar médico a serviço do Ministério da Saúde da Ucrânia e fornecer ajuda humanitária "neutra".

"A opinião e o apoio global são a chave agora para resolver o conflito", disse Auger, pai de dois filhos que presta cuidados paliativos em um hospital em Saint-Jérôme.

Em grupos online, veteranos militares alertaram os voluntários que não tinham treinamento de combate que estavam entrando em um conflito onde a inexperiência poderia ser uma responsabilidade para eles e para outros. Isso não impediu aqueles como Tai B., de 23 anos, que estudou jornalismo em Nova York.

 "Não quero ser um herói ou um mártir, só quero finalmente fazer algo certo", disse Tai, que sabe cozinhar, fazer mecânica básica e sabe manejar uma arma de fogo. Ele disse que entrou em contato com a equipe da Embaixada da Ucrânia nos EUA sobre o alistamento na "legião internacional" de Zelenski.

Hyde, um homem de 28 anos do meio-oeste dos EUA, disse que já estava em Kiev e espera começar o treinamento militar na terça-feira.

"Não consigo suportar a ideia de a Europa ser novamente mergulhada na guerra", disse ele, que se descreveu como um entusiasta de armas sem experiência em combate. Ele espera receber um capacete, colete à prova de balas, joelheiras e eventualmente um rifle.

Em Austin, Texas, um desenvolvedor de software disse que usaria sua experiência como cadete do Exército dos EUA para lutar pela Ucrânia.

"Se eles estão dispostos a defender a democracia, acho que aqueles que se beneficiam de uma sociedade democrática têm o dever de apoiá-los", disse o jovem de 25 anos, que pediu que seu nome não fosse divulgado. "Não vou contar aos meus pais até ir para o aeroporto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.