Estrategista da Al Qaeda é morto no Paquistão

Um avião teleguiado dos Estados Unidos matou no Paquistão um dos principais nomes da Al Qaeda, anunciou o governo norte-americano na terça-feira, no mais duro em uma série de golpes recentes contra o grupo desde a ação militar que matou Osama bin Laden, no ano passado.

REUTERS

05 de junho de 2012 | 19h11

Abu Yahya al Libi, veterano militante apontado como chefe de operações do grupo, já havia sobrevivido a ataques anteriores dos EUA. Ele foi morto na madrugada de segunda-feira num esconderijo no Waziristão do Norte, uma área tribal do noroeste paquistanês, segundo autoridades.

A Casa Branca disse que a morte de Al Libi foi um "grande golpe" para a Al Qaeda, e que o grupo terá dificuldades para encontrar alguém de estatura similar para substituí-lo.

Mas, embora o núcleo do grupo, agora comandado por Ayman al Zawahri, enfrente sucessivas baixas, suas filiais em outros países - especialmente o Iêmen - continuam planejando ataques contra alvos ocidentais.

Os EUA têm intensificado os ataques teleguiados nas últimas duas semanas, apesar de essas ações irritarem o governo paquistanês, contribuindo para um agravamento das tensões bilaterais.

A chancelaria do Paquistão convocou na terça-feira o encarregado de negócios dos EUA em Islamabad para transmitir suas "sérias preocupações" com os ataques teleguiados.

Os EUA consideravam Al Libi como uma das mais perigosas figuras da Al Qaeda. Cartas recém-divulgadas, que foram escritas por Bin Laden e apreendidas durante a ação militar que o matou, mostram que Al Libi era um dos poucos membros da Al Qaeda em quem o fundador do grupo confiava para promover a Al Qaeda junto à militância mundial, especialmente os jovens.

Esse clérigo, cujo nome verdadeiro era Mohamed Hassan Qaid, fugiu em 2005 de uma prisão norte-americana no Afeganistão, e em pelo menos uma ocasião anterior sua morte foi precipitadamente anunciada.

Um líder do Taliban paquistanês, falando à Reuters por telefone de local não revelado, disse que Al Libi "estava vivendo na região de Mirali havia bastante tempo". Essa fonte disse que o esconderijo do militante foi atingido por dois mísseis.

"É uma grande perda, ele era um grande acadêmico. Depois do doutor Sahib (Zawahri), ele era o principal líder da Al Qaeda", disse o militante.

(Por Mark Hosenball e Jibran Ahmad)

Mais conteúdo sobre:
EUAQAEDAPAQUISTAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.