Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

EUA abandonarão escudo antimísseis na Europa, diz jornal

Com a fragilidade das armas iranianas, sistema concebida no governo Bush, não seria mais necessário

Efe,

17 de setembro de 2009 | 06h27

O governo americano arquivará o projeto de escudo nuclear na Polônia e República Tcheca impulsionado pela anterior Administração de George W. Bush, segundo informa nesta quinta-feira, 17, em sua edição digital o diário econômico The Wall Street Journal.

 

O jornal assegura que a decisão se justifica pelo pouco progresso iraniano em seu programa de desenvolvimento de mísseis de longo alcance em relação às previsões anteriores, o que supostamente reduziria a ameaça sobre os Estados Unidos e as principais capitais europeias. O jornal anuncia que a próxima semana será concluída a revisão solicitada pelo presidente americano, Barack Obama.

 

O projeto da gestão George W. Bush causou a rejeição e a ira do Kremlin que o considerou uma ameaça a seu sistema balístico intercontinental, apesar de desmentidos norte-americanos.

 

A atual Administração americana aponta como ameaça mais imediata para os aliados europeus os sistemas balístico de curto e médio alcance iraniano, pelo que segundo as fontes, Washington decidirá uma mudança em favor do desenvolvimento de um sistema defensivo regional para o continente europeu.

O diário acrescenta que dito sistema será "muito menos polêmico".

 

Segundo o WSJ, os críticos dirão que a mudança é um gesto para conseguir a cooperação russa na obtenção de novas sanções contra o regime iraniano se Teerã não abandona seu programa nuclear.

Obama e o presidente russo, Dmitri Medvedev, devem reunir-se na próxima semana durante a assembleia geral das Nações Unidas e as reuniões do G20.

Tudo o que sabemos sobre:
WSJescudoanti´-mísselEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.