EUA acusam Coréia do Norte de dar ajuda nuclear à Síria

Os Estados Unidos consideram que aCoréia do Norte ajudou a Síria a construir um reator nuclearsecreto, disse a Casa Branca na quinta-feira numa acusação quepode complicar a diplomacia tanto na Península Coreana quantono Oriente Médio. "Estamos convencidos, com base numa variedade deinformações, de que a Coréia do Norte assistiu a Síria ematividades nucleares ocultas", diz nota divulgada por DanaPerino, porta-voz da Casa Branca. "Temos boas razões para acreditar que o reator, danificadode forma irremediável [por um bombardeio israelense] em 6 desetembro do ano passado, não se destinava a propósitospacíficos", acrescentou a nota, divulgada após uma sessãosigilosa em que funcionários de inteligência transmitiram essasinformações a congressistas. Uma fonte norte-americana negou que os EUA tenham dado "luzverde" para o bombardeio israelense. Informado oficialmente do teor das acusações peloDepartamento de Estado, o embaixador sírio em Washington, ImadMoustapha, qualificou-as de "fantasia". "Espero que a verdade seja revelada a todos", afirmou ele àCNN. "Isso será um grande constrangimento para o governo dosEUA pela segunda vez --eles mentiram a respeito das armas dedestruição em massa iraquianas e acham que podem fazer isso denovo." A suposta existência de armas químicas, nucleares oubiológicas no Iraque foi uma das razões oficiais para a invasãonorte-americana em 2003, mas esses materiais nunca foramencontrados. Sem mencionar Israel, a nota da Casa Branca diz que a Síriavinha construindo no seu deserto oriental um reator secreto queseria capaz de produzir plutônio. A Casa Branca disse que a Agência Internacional de EnergiaAtômica (AIEA, um órgão da ONU) não foi informada dessas obrase que, depois da destruição, a Síria "agiu rapidamente paraenterrar as provas de sua existência". Uma fonte oficial disse, sob anonimato, que entre asinformações obtidas pelos EUA havia uma foto de pessoas deaparência coreana no local. Mas essa fonte informou que hámuitos outros elementos, de diversas fontes, apontando para acooperação nuclear sírio-norte-coreana. A Coréia do Norte deveria ter apresentado até o final de2007 um inventário completo de suas atividades nucleares, comoparte de um acordo multilateral que lhe garantiria benefíciospolíticos e econômicos, mas isso não aconteceu. Essa demora colocou parte da bancada governista contra oacordo com a Coréia do Norte, embora a maioria democrata pareçaem geral mais satisfeita com a negociação. Outra fonte oficial afirmou, também sob anonimato, que aCoréia do Norte foi avisada de antemão sobre a nota da CasaBranca, e que sua divulgação aumenta a pressão para quePyongyang revele todas as suas atividades. Na nota, Perino diz que "a construção deste reator [naSíria] foi um fato perigoso e potencialmente desestabilizadorpara a região e o mundo," o que mostra que a comunidadeinternacional está certa em sua preocupação com as atividadesnucleares do Irã e "deve tomar novas medidas" para confrontartal desafio. (Reportagem adicional de Paul Eckert e Jeremy Pelofsky)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.