EUA acusam grupos pró-Irã por ataques no Iraque

Ataques de grupos apoiados pelo Irãno Iraque aumentaram nos últimos meses, disse uma importantefonte política norte-americana na quinta-feira, pondo em dúvidaa tese de que os iranianos teriam reduzido seu apoio a açõesviolentas na guerra. David Satterfield, coordenador para o Iraque doDepartamento de Estado dos EUA, disse acreditar que aestratégia do Irã continua sendo obrigar os norte-americanos ase retirarem do Iraque pagando o preço mais alto possível. Os EUA mantêm atualmente cerca de 158 mil soldados no país.Satterfield disse que a meta do presidente George W. Bush éentregar a seu sucessor um Iraque estabilizado. Os ataques no Iraque caíram 60 por cento desde junho,quando os EUA terminaram de enviar o reforço de 30 milsoldados, determinado meses antes por Bush. Analistas atribuem a redução também à ajuda de algunslíderes tribais sunitas aos EUA contra militantes islâmicosestrangeiros e a um cessar-fogo declarado pela milícia ExércitoMehdi, do clérigo xiita anti-americano Moqtada Al Sadr. Segundo Satterfield, o Irã ainda quer expulsar os EUA doIraque para ampliar sua própria influência regional. "O Irã continua engajado de forma letal em termos defornecer treinamento e equipamento para as forças mais radicaise violentas no Iraque. Os ataques por parte dessas forçasprosseguem", acrescentou. Ele citou um aumento nos últimos meses dos ataques communições capazes de superar a blindagem militar, as quais osEUA acreditam que sejam fornecidas pelo Irã. Há também ataquescom morteiros contra a base aérea de Basra (sul, perto dafronteira do Irã). Ele disse que ambos os tipos de ataques são"sinais da violência apoiada pelo Irã."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.