EUA advertem Índia sobre possível fracasso de acordo

A situação a respeito do acordo está "próxima ao agora ou nunca"

EFE

09 de fevereiro de 2008 | 06h27

Os Estados Unidos acrescentaram pressão sobre a Índia sobre o acordo bilateral de cooperação nuclear civil, ainda pendente de ratificação, ao assegurar que não retomaram o pacto se ele não for aprovado este ano. "Se o pacto não for aprovado este ano, não será provável que seja oferecido de novo à Índia", disse o embaixador americano no país, David Mulford. Mulford assegurou que a situação a respeito do acordo está "próxima ao agora ou nunca", e afirmou que em caso de fracasso o cenário só poderá mudar em 2010, com uma nova administração. A Índia tem que negociar um acordo de salvaguardas com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) antes de ratificar o pacto e, além disso, o Governo indiano conta com a oposição de seus aliados comunistas, muito críticos à medida. Mulford descartou que o possível fracasso do acordo possa prejudicar as relações entre Índia e Estados Unidos, mas disse que será um "passo atrás" nos anos de esforços para superar "a desconfiança e os mal-entendidos" entre os dois países. "O acordo nuclear civil era em teoria o veículo para deixar para trás essas coisas. Acho que devemos nos preocupar com os elementos de confiança e discrição no coração dessa relação", disse. Para Mulford, o acordo nuclear é o "passaporte da Índia para o mundo" e não uma conversão do país asiático em um subordinado dos Estados Unidos, como defendem os comunistas indianos. Em virtude do acordo, Washington se compromete a facilitar ao país material nuclear para uso civil e a "criar as condições necessárias para que a Índia tenha acesso pleno e garantiu a combustível para seus reatores". Em troca, a Índia concorda em negociar acordos de salvaguarda de suas instalações com a AIEA, que se encontram em curso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.