EUA ajudam no final, mas Bovespa tem quinta queda seguida

Uma virada de última hora em Wall St filtrou a pressão negativa sobre a bolsa paulista, mas não o suficiente para impedi-la de emendar a quinta sessão no vermelho.

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

08 de julho de 2009 | 18h24

O Ibovespa, principal índice de ações no país, caiu 0,56 por cento, para 49.177 pontos. O giro financeiro da sessão, véspera de feriado em São Paulo que interrompe os negócios na quinta-feira, totalizou 5,03 bilhões de reais.

Segundo profissionais do mercado, na ausência de sinais que sustentem expectativas recentes de recuperação consistente da economia global, manteve-se a preferência dos investidores por vender ações e garantir os fortes lucros dos últimos meses.

O medo de que a temporada de balanços do segundo trimestre --iniciada nesta quarta-feira com a Alcoa-- mostre resultados corporativos ainda abalados pelos efeitos da crise reforçou o conservadorismo do mercado.

"Tudo isso, com o início das férias de verão no Hemisfério Norte, está fazendo os investidores, especialmente os estrangeiros, saírem um pouco", disse Edson Roberto Marcellino, diretor da Finabank Corretora.

Repetindo o desempenho negativo das praças internacionais, a Bovespa viu os setores financeiro e de commodities entre os que mais pesaram nos índices. Em destaque, Banco do Brasil caiu 3,1 por cento, a 21 reais. A ação preferencial da Usiminas caiu 1,5 por cento, a 39,15 reais.

Percentualmente, o setor aéreo foi o de pior desempenho, sob liderança de Gol, com desvalorização de 4,5 por cento, a 11,37 reais. TAM perdeu 2,8 por cento, para 20,30 reais.

Entre as blue chips, o papel preferencial da Petrobras caiu abatido por novas baixas na cotação do petróleo e cedeu 0,8 por cento, para 29,11 reais.

Um dos fatores que evitaram um retrocesso ainda maior do Ibovespa foi o anúncio, já no final da tarde, de um programa do governo dos Estados Unidos para comprar até 40 bilhões de dólares em ativos tóxicos detidos por grandes bancos do país.

Foi o suficiente para fazer o índice Dow Jones da Bolsa de Nova York reverter de um dia negativo e fechar em alta de 0,18 por cento.

No plano doméstico, a preferencial da Vale recuperou-se parcialmente dos tombos recentes e avançou 1,5 por cento, a 28,17 reais.

Por fim, Net Serviços deu um salto de 5 por cento, para 20,52 reais, depois que a operadora de TV por assinatura retomou a cobrança do ponto extra, em linhas com novas determinações da Anatel.

(Edição de Alexandre Caverni)

(aluisio.pereira@thomsonreuters.com; 5511 5644-7712;Reuters Messaging: aluisio.pereira.reuters.com@thomsonreuters.net))

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAJUDAMNOFINALMASBOVESPATEMQUINTAQ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.