EUA: Al-Qaeda do Iêmen está entre as mais ativas da rede

Obama ampliou neste mês a assistência ao governo iemenita para realizar ações de contraterrorismo

ADAM ENTOUS, REUTERS

29 de dezembro de 2009 | 19h04

A Al-Qaeda da Península Arábica deixou de ser uma ameaça regional para virar aquilo que agências de espionagem dos EUA afirmam ser o ramo mais ativo da rede fora do Paquistão e Afeganistão, e com ambições globais, disseram autoridades norte-americanas na terça-feira.

A crescente ameaça da Al-Qaeda do Iêmen tem sido monitorada com alarme pelas agências de inteligência dos EUA, e levou o presidente Barack Obama a discretamente ampliar neste mês a assistência ao governo iemenita para realizar ações violentas contra esconderijos de militantes, segundo as fontes oficiais.

Nesta semana, a Al-Qaeda da Península Árabe reivindicou a autoria do frustrado atentado contra um avião da Delta Airlines que se aproximava de Detroit vindo de Amsterdã com 300 ocupantes.

O grupo disse que tentava vingar ataques dos EUA contra seus líderes e agentes no Iêmen.

O nigeriano Umar Farouk Abdultmallab, que portava os explosivos, não conseguiu detoná-los, mas as autoridades dos EUA acham que seu embarque foi uma das violações mais graves contra a vigilância antiterror desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

Obama prometeu localizar e punir os responsáveis, e autoridades de defesa dizem que a cooperação militar e de inteligência com o Iêmen deve crescer como parte da revisão das prioridades de Washington no combate ao terrorismo, atualmente focadas no Afeganistão, Paquistão e Iraque.

Apelando por mais ajuda dos Estados Unidos e Europa, o chanceler iemenita, Abubakr Al Qirbi, descreveu o atual nível de assistência como "inadequado", e disse que seu país precisa de mais treinamento para as unidades de contraterrorismo e mais equipamentos militares, especialmente helicópteros.

A importância da Al-Qaeda da Península Árabe começou a crescer aos olhos da comunidade de inteligência dos EUA neste ano, depois que militantes sauditas e iemenitas se fundiram em uma só organização sediada no Iêmen, país mais pobre da região.

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENQAEDAATIVO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.