EUA alertaram Geórgia a não mexer com a Rússia, diz diplomata

Numa crítica à aliada Geórgia, umalto funcionário dos Estados Unidos disse na terça-feira queWashington alertou Tbilisi a não entrar em conflito com aRússia. "Nossa mensagem foi consistente para com nossos colegasgeorgianos: 'Evitem a todo custo um confronto militar diretocom a Rússia. Vocês não têm como prevalecer. É simplesmenteimpossível", disse Matt Bryza, diplomata enviado peloDepartamento de Estado à Geórgia depois que a crise começou. Os EUA insistiram na terça-feira para que a Rússia retireimediatamente suas tropas da Geórgia. O conflito começou depoisque a Geórgia enviou tropas, no dia 7, para tentar recuperar ocontrole da Ossétia do Sul. A Rússia reagiu enviando tropas não só à Ossétia do Sulcomo à Geórgia propriamente dita, dominando facilmente o seuvizinho menor. Na semana passada, ambas as partes assinaram umcessar-fogo sob mediação da França. Moscou promete retirar completamente seus soldados daGeórgia até o dia 22, e na terça-feira chamou jornalistas paraverem a desocupação de Gori, uma cidade no centro da Geórgia. Mas os EUA acham que isso não basta e exigem a retiradatotal e imediata. Uma fonte do Departamento de Defesa disse queos russos aparentemente guardaram consigo cinco veículosmilitares norte-americanos Humvee que aguardavam embarque noporto georgiano de Poti após um incidente militar. Essa fonte disse que o incidente não está sendo tratado comgravidade pelos militares, mas Gordon Johndroe, porta-voz daCasa Branca, disse que "se os russos fizeram isso, precisamdevolver imediatamente". O conflito vem afetando os mercados financeiros na Rússia ea cotação do petróleo, o que levou o subsecretário de Tesourodos EUA, Robert Kimmitt, a dizer que a Rússia "não está jogandopelas regras do século 21", pois induz a uma fuga deinvestimentos. "Suas ações de curto prazo causaram um dano significativo àreputação da Rússia, tanto politicamente quantoeconomicamente", disse Kimmitt à TV CNBC. (Reportagem adicional de Andrew Gray, Randall Mikkelsen,Toby Zakaria e David Lawder)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.