EUA alertaram Irã sobre intenção de atacar Estado Islâmico na Síria

Os Estados Unidos informaram o Irã antecipadamente sobre sua intenção de atacar militantes do Estado Islâmico na Síria, e disseram ao governo de Teerã que não iriam mirar as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, afirmou uma autoridade iraniana de alto escalão à Reuters.

REUTERS

23 de setembro de 2014 | 19h20

"O Irã estava preocupado com a posição de Assad e com o enfraquecimento de seu governo no caso de qualquer ação contra o Estado Islâmico na Síria, e abordou esse assunto em reuniões com os norte-americanos”, disse a fonte sob condição de anonimato.

“Este assunto foi discutido primeiro em Genebra, e depois mais a fundo em Nova York, onde foi garantido ao Irã que Assad e seu governo não serão visados no caso de qualquer ação militar contra o Daesh (Estado Islâmico) na Síria”.

Ele acrescentou que seu país foi informado separada e previamente sobre o ataque aéreo.

Indagado sobre a garantia de que as forças governamentais sírias não seriam atacadas, uma autoridade de alto escalão do Departamento de Estado dos EUA declarou à Reuters: “Comunicamos nossas intenções, mas não especificamos o cronograma ou os alvos aos iranianos”.

“Como já dissemos, não vamos coordenar a ação militar com o Irã. E claro que tampouco iremos compartilhar inteligência com eles”.

Assad é o maior aliado regional do Irã, que tem fornecido apoio militar a seu governo durante a guerra civil, que já está em seu quarto ano.

Teerã pediu ao mundo que combata os militantes do Estado Islâmico, acusado de violência sectária, decapitações e massacres de civis. Falando a editores em Nova York, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, não chegou a endossar os ataques aéreos dos EUA e de aliados árabes, embora tenha questionado sua legalidade.

(Por Parisa Hafezi, Louis Charbonneau e Arshad Mohammed)

Mais conteúdo sobre:
EUAIRAATAQUESIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.