EUA aumentarão auxílio militar não-letal para a Ucrânia, dizem fontes

Os Estados Unidos planejam aumentar a assistência de equipamentos não-letais para a Ucrânia, incluindo a entrega dos primeiros veículos militares Humvee, após decidir não fornecer armamentos ao país, disseram autoridades dos EUA. 

WARREN STROBEL E PATRICIA ZENGERLE, REUTERS

20 de novembro de 2014 | 18h16

O aumento de ajuda não-letal para a Ucrânia, envolvida em uma disputa contra o movimento separatista pró-Rússia no leste do país, deve ser anunciado nesta quinta-feira durante uma visita do vice-presidente dos EUA, Joe Biden, a Kiev. 

As autoridades, que falaram à Reuters em condição de anonimato, descreveram o processo como uma expansão do apoio norte-americano às forças armadas ucranianas, embora seja improvável que esse auxílio altere significativamente a situação do conflito. 

A ajuda fica aquém dos pedidos do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, feitos durante uma visita a Washington em setembro, na qual ele solicitou ajuda de armamentos - um pedido apoiado por alguns legisladores norte-americanos em resposta ao que aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) dizem ser o movimento de tanques da Rússia para dentro do leste da Ucrânia.

Autoridades da administração do presidente norte-americano, Barack Obama, disseram que Washington acredita que a Ucrânia tenha poder letal suficiente e que os tipos de armamentos solicitados pela Ucrânia seriam apenas de valores marginais. Eles também enfatizaram a necessidade de uma solução diplomática. 

Os Estados Unidos e seus aliados europeus impuseram diversas rodadas de sanções econômicas sobre a Rússia, após Moscou ter anexado a região da Crimeia, antes um território ucraniano, e por causa da incursão russa na Ucrânia.

O novo auxílio não-letal que será apresentado por Biden em Kiev inclui veículos militares tipo Humvee excedentes nos estoques do Pentágono, assim como a entrega de radares que possam detectar a localização de morteiros inimigos, disseram autoridades, sem especificar o valor total da assistência.

A ajuda não-letal anterior à Ucrânia inclui 53 milhões de dólares anunciados em setembro para equipamentos militares como unidades de detecção anti-morteiro, coletes balísticos, binóculos, pequenos barcos e outros equipamentos para as forças de segurança ucranianas. 

Mais conteúdo sobre:
EUAAJUDAMILITARUCRANIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.