EUA autorizam envio de mísseis Patriot à Turquia

O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, assinou na sexta-feira medida que autoriza o envio de duas baterias de mísseis Patriot à Turquia, junto com 400 operadores norte-americanos, como parte da mobilização de países da Otan para reforçar as defesas dos aliados turcos contra disparos da guerra civil na vizinha Síria.

PHIL STEWART, Reuters

14 de dezembro de 2012 | 09h51

A portaria foi assinada logo depois de Panetta chegar de surpresa à Turquia para encontrar soldados dos EUA estacionados na Base Aérea de Incirlik. Foi a última escala dele em uma viagem de uma semana, que teve passagens também por Afeganistão e Kuweit.

"O propósito dessa mobilização é sinalizar muito fortemente que os Estados Unidos estão colaborando estreitamente com nossos aliados da Otan e irão apoiar a defesa da Turquia, especialmente quanto a potenciais ameaças emanando da Síria", disse o porta-voz George Little.

A Turquia vem concentrando caças na região da fronteira com a Síria e reage à altura sempre que obuses disparados no conflito sírio caem em seu território, alimentando os temores de que a guerra civil no país árabe possa se espalhar por toda a região.

Era amplamente esperado que os EUA oferecessem o envio de mísseis Patriot à Turquia, como já fizeram Alemanha e Holanda. Os três países são os únicos integrantes da Otan que possuem o tipo mais moderno de mísseis Patriot.

Little não quis revelar onde as duas baterias norte-americanas serão instaladas, e disse que os sistemas ficarão na Turquia por tempo indeterminado. "Esperamos que sejam mobilizados nas próximas semanas", disse Little.

A Otan aprovou no dia 4 o pedido da Turquia para receber baterias antiaéreas, numa resposta aos temores de que o país possa sofrer um ataque com mísseis e possivelmente armas químicas da Síria, onde há 20 meses o governo de Bashar al Assad tenta reprimir uma rebelião.

O sistema Patriot é capaz de interceptar aeronaves e mísseis. A Otan diz que a mobilização é puramente defensiva, mas Rússia, Síria e Irã criticam a decisão, dizendo que ela amplia a instabilidade regional.

(Reportagem de Phil Stewart)

Mais conteúdo sobre:
EUATURQUIAMISSEIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.