EUA combaterão barões da droga afegãos ligados ao Taleban

Comandantes americanos buscam meios de romper o fluxo do dinheiro da droga para o grupo extremista

Associated Press,

10 de agosto de 2009 | 11h35

Os traficantes que ajudam a financiar a insurgência no Afeganistão figuram em uma lista dos líderes mais procurados das milícias do país criada pelos militares dos EUA, afirmou nesta segunda-feira, 10, um funcionário do governo americano.

 

As tropas americanas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) iniciaram buscas em depósitos de drogas e contra traficantes no Afeganistão pela primeira vez neste ano, em uma nova estratégia para inibir o comércio de ópio e heroína no país.

 

Os ministros da Defesa da Otan aprovaram as operações desde o fim do ano passado, alegando que era claro que existia uma relação clara entre os insurgentes do Taleban e o narcotráfico.

 

Quando ficou evidente o vínculo entre traficantes e a insurgência extremista do Taleban, os comerciantes de drogas foram incluídos na lista dos mais procurados pelos militares americanos, destacou o vice-almirante Gregory Smith, porta-voz dos EUA no Afeganistão. "Na lista estão aqueles que contribuem com a insurgência e obviamente parte dos mais procurados são aqueles responsáveis pelo vínculo entre o tráfico e a milícia", disse Smith, sem revelar, entretanto, quantos nomes estão na lista.

 

O diário americano The New York Times informou na edição da segunda-feira que os militares tem uma lista de 367 "objetivos que devem capturar ou matar", inclusive 50 indivíduos que comandam o tráfico de drogas e a insurgência. O jornal citou um comunicado da Comissão de Relações Exteriores do Senado, afirmando que o documento será publicado nesta semana.

 

A existência de traficantes na lista dos mais procurados é resultado das mudanças na política de segurança da Otan, mesmo que os nomes fossem conhecidos já há algum tempo. A maioria dos traficantes procurados operam no sul do Afeganistão, onde o comércio de drogas é maior, embora "existam vínculos com o narcotráfico em outros lugares", segundo Smith.

 

Os oficiais da Marinha americana e as forças afegãs descobriram e destruíram centenas de toneladas de sementes de amapola, ópio e heroína no sul do país em buscas que não eram realizadas há mais de um ano. Em junho, os EUA anunciaram que iam promover ações contra o cultivo de substâncias proibidas e contra depósitos de drogas.

 

O Ministério Antidrogas do Afeganistão disse que 98% dos campos de cultivo de amapola no país estão localizados em cinco províncias onde há maior atividade do Taleban e onde o governo exerce pouco ou nenhum controle. É nessas áreas que os exércitos americano, afegão e britânico realizam as operações contra os depósitos de armazenamento da droga.

 

Na maior dessas ações, os EUA enviaram cerca de 4 mil soldados da Marinha à província de Helmand, o centro do cultivo de ópio no Afeganistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.