EUA concordam em notificar outros países antes de lançar mísseis

Medida reflete disposição de Washington em cumprir acordo firmado com a Rússia

Associated Press,

20 Maio 2010 | 17h23

WASHINGTON- Os Estados Unidos concordaram em notificar outros países antes de lançarem mísseis balísticos ou satélites, segundo uma nota divulgada nesta quinta-feira, 20, com exclusividade a Associated Press, e confirmada por três diplomatas a par da decisão.

 

A medida tem menos alcance do que um tratado assinado em março pelos presidentes Barack Obama e seu colega russo, Dmitri Medvedev, que sinalizam grandes cortes nos programas nucleares dos dois países. Contudo, a decisão reflete a disposição de Washington em fazer o acordo ser bem-sucedido.

 

Durante muito tempo, a Rússia deu avisos prévios sobre lançamentos de mísseis balísticos e satélites, mas deixou de fazê-lo há dois anos porque os Estados Unidos e outros países não seguiam seu exemplo.

 

Um alto diplomata americano disse que agora espera-se que Moscou volte a informar sobre essas operações. "Os Estados Unidos (...) darão notificação prévia dos lançamentos espaciais e comerciais e da NASA, assim como da maioria dos lançamentos balísticos intercontinentais e mísseis balísticos lançados de submarinos", afirma uma mensagem enviada ao HCOC, organização que supervisiona os esforços pra frear a proliferação de armas.

 

A decisão americana foi comunicada aos 129 países membros do HCOC (Código de Conduta de Haia contra a Proliferação de Mísseis Balísticos) em 7 de maio, a julgar pela data da carta que acompanha a mensagem, assinada pela chancelaria austríaca, que administra a organização.

Mais conteúdo sobre:
EUA Rússia acordo lançamento mísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.