EUA defendem necessidade de 'medidas punitivas' contra Irã

Potências discutem sanções; Teerã quer mais detalhes sobre proposta para suspender programa nuclear

Agências internacionais,

06 de agosto de 2008 | 07h22

A Casa Branca disse nesta quarta-feira, 6, acreditar que as potências ocidentais terão de tomar novas medidas contra o Irã "que sejam punitivas", pois Teerã não deu uma resposta concreta aos pedidos para suspender suas atividades nucleares. A França se uniu aos esforços americanos, afirmando que a resposta iraniana foi insuficiente.   O Irã enviou na terça um documento de uma página ao chefe de política externa da União Européia (UE), Javier Solana, pedindo esclarecimentos sobre a oferta de Alemanha, China, EUA, França, Reino Unido e Rússia, que ofereceram um pacote de incentivos em troca da suspensão de seu programa de enriquecimento de urânio.   "Na ausência de uma resposta positiva para a generosa oferta que fizemos, achamos que os aliados não têm outra escolha que não seja a tomada de novas medidas que sejam punitivas", disse a porta-voz da Casa Branca Dana Perino a bordo do avião presidencial. Perino, que está na comitiva do presidente americano, George W. Bush, na viagem de Seul para Bangcoc, disse que as principais potências do mundo se reunirão numa teleconferência para discutir a resposta iraniana.   "Acho que os iranianos demoraram muito para responder aos aliados, então acho que a coisa mais importante que podemos fazer é deixar os diretores políticos fazerem sua teleconferência e decidir sobre os próximos passos", disse Perino. A França lamentou que o Irã "tenha escolhido não dar uma resposta clara", segundo afirmou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores Romain Nadal.   Trechos da carta de uma página entregue para a UE e obtidos pela Reuters mostram que o Irã não deu uma resposta firme e, em vez disso, prometeu dar uma "resposta clara" numa data não especificada. O gesto iraniano foi interpretado como mais uma tentativa de ganhar tempo. "O que os iranianos estão fazendo é mais do mesmo", disse à agência Reuters um diplomata americano, que pediu para não ser identificado. Segundo ele, os EUA estariam irritados com a atitude iraniana.   O governo iraniano defende que seu programa nuclear é pacífico. Mas os EUA e seus aliados europeus suspeitam que o país está desenvolvendo em segredo um programa nuclear militar. Em seus relatórios, os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) têm informado que não há sinais de um programa nuclear com fins militares, mas o Irã ainda deve esclarecer várias questões. O serviço secreto dos EUA também divulgou um relatório no fim do ano passado afirmando ter evidências de que o Irã encerrou seu programa nuclear militar em 2003.   Matéria atualizada às 9h15.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.