EUA discutem compromisso com Coréia do Norte, dizem fontes

Os Estados Unidos e a Coréia do Norteestão discutindo um possível compromisso no impasse sobre atransparência de Pyongyang a respeito dos seus programasnucleares, disseram fontes diplomáticas, em meio às conversasdos dois lados em Cingapura. Sob a proposta de compromisso, a Coréia do Nortereconheceria as afirmações norte-americanas de que o paíscomunista teve um programa clandestino para enriquecer urâniopara armas e distribuiu tecnologia nuclear e material à Síria,disseram fontes diplomáticas em Tóquio à Reuters. "O compromisso foi ventilado quando representantes dos EUAe da Coréia do Norte se reuniram em Genebra no mês passado",disse uma das fontes. Washington afirmou que um ponto importante nas negociaçõespara a Coréia do Norte acabar com seus programas nucleares é anecessidade de Pyongyang entregar uma declaração dando completainformação das suas ações, como pedido nas negociações defevereiro de 2007. Isso deveria ter acontecido até o fim do anopassado. Se ambas as partes aceitarem a proposta de compromisso, umacerto poderia vir em um documento separado da Coréia do Norte,com uma "declaração completa e correta" das suas ambiçõesnucleares, disse a fonte. Washington suspeita que a Coréia do Norte tem um programasecreto para enriquecer urânio para armas e para proliferartecnologia nuclear e quer que essas questões sejam atendidas nadeclaração. A Coréia do Norte repetidamente negou as acusações. Outra fonte diplomática disse que não está claro se aCoréia do Norte aceitaria o compromisso. "A proposta é prudente para ambos os lados", afirmou. "Éparticularmente prudente para a Coréia do Norte, porque elesnão têm de admitir diretamente que fizeram algo errado." O subsecretário de Estado norte-americano Christopher Hillse reúne com o colega norte-coreano Kim Kye-gwan em Cingapurana terça-feira. As negociações entre Hill e Kim vêm em um momento detensões maiores na pesadamente armada península coreana, apósos testes de mísseis da Coréia do Norte e da ameaça de atacar aCoréia do Sul. Se a Coréia do Norte fizer a declaração, ela deve serremovida da lista de terrorismo dos EUA e poderá ter acesso afinanciamentos que impulsionariam sua economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.