EUA dizem que Coreia do Norte precisa adotar ações significativas para retomar negociações

Os Estados Unidos responderam nesta sexta-feira a uma oferta da Coreia do Norte para retomar as conversas reiterando que primeiro Pyongyang precisa adotar ações relevantes rumo à desnuclearização e evitar provocações.

REUTERS

03 de outubro de 2014 | 21h11

So Se Pyong, embaixador da Coreia do Norte na Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra, disse à Reuters na quinta-feira que seu país está pronto para retomar as conversas de seis partes e que não planeja um teste nuclear ou de mísseis.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA declarou que Washington continua comprometido com “negociações críveis” para implementar um acordo de 2005 mediante o qual a Coreia do Norte abandonaria seu programa de armas nucleares. Apesar do entendimento, Pyongyang testou artefatos nucleares em 2006 e 2009.

"Mas cabe à Coreia do Norte adotar as primeiras ações significativas rumo à desnuclearização e evitar provocações”, afirmou o porta-voz, que não quis se identificar, por e-mail.

“As provocações recentes e as violações contínuas de suas obrigações internacionais (da Coreia do Norte) põem em dúvida seu comprometimento com a adoção das medidas necessárias para honrar suas obrigações e seus compromissos”.

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse depois das reuniões com seu colega norte-coreano na quarta-feira em Moscou que vê a possibilidade de se retomar as conversas travadas entre Coreia do Norte, Coreia do Sul, Japão, China, Rússia e EUA sobre as atividades nucleares de Pyongyang, mas que isso tomará tempo.

Na segunda-feira, o representante especial dos Estados Unidos para as políticas norte-coreanas, Glyn Davies, afirmou que a Coreia do Norte rejeitou os esforços de seu país para discutir os casos de três cidadãos norte-americanos detidos sob acusações de crimes contra o Estado, e que Pyongyang está desperdiçando uma chance de estabelecer relações com Washington.

(Por David Brunnstrom)

Tudo o que sabemos sobre:
EUACOREIANORTEACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.