EUA dizem que G7 apoia mais sanções se Rússia agravar crise ucraniana

Um grupo dos países mais ricos do mundo apoiará o aumento das sanções contra a Rússia se Moscou intensificar a crise na Ucrânia, disse o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Jack Lew, nesta sexta-feira.

Reuters

11 de abril de 2014 | 20h52

"Há uma unidade ampla e forte dentro do G7 sobre o aumento de sanções e custos em resposta à escalada das ações da Rússia", afirmou Lew em entrevista coletiva, referindo-se ao Grupo dos Sete países industrializados.

O G7 inclui Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Grã-Bretanha. Autoridades importantes do grupo se reuniram em Washington na quinta-feira e discutiram a situação da Ucrânia, segundo Lew.

"Em uma discussão que se prolongou por muito tempo, não havia discordância na sala de que é essencial que haja unidade em tomar medidas, se necessário", disse ele.

Os ministros das Finanças e representantes dos bancos centrais de todo o mundo estão em Washington para reuniões do Fundo Monetário Internacional.

Os Estados Unidos e a Europa aprovaram sanções contra a Rússia em resposta à anexação russa da Crimeia, que até recentemente era parte da Ucrânia.

(Reportagem de Jason Lange)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAG7RUSSIASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.