EUA dizem que morte de Marulanda é um novo revés para as Farc

Os Estados Unidos afirmaram nestaterça-feira que a morte do principal líder das Farc, ManuelMarulanda, é um novo revés para a guerrilha e consideram que ogrupo rebelde enfrentará decisões cruciais. Sean McCormack, porta-voz do Departamento de Estadonorte-americano, disse que a morte do líder rebelde de 78 anosconhecido como "Tirofijo" poderia ainda marcar um "momentodecisivo" no caminho das Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc). "Este é outro momento decisivo para as Farc. Podem sededicar à violência, ao sequestro, ao narcotráfico, ou podem sededicar a trabalhar a favor do povo colombiano e entregar suasarmas", acrescentou McCormack a jornalistas. "Este é outro de uma série de revezes com os quais as Farctêm se deparado nos últimos anos e meses. Claramente, nesteaspecto, eles estão diante de alguns desafios sérios e têmalgumas decisões sérias a tomar", acrescentou. As Farc, maior guerrilha esquerdista da Colômbia,confirmaram no domingo a morte de seu maior comandante efundador por causa de um ataque cardíaco e anunciaram que seusubstituto é Alfonso Cano, um ideólogo que foi negociador emdiálogos de paz entre 1991 e 1992. (Reportagem de Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.