Luis M. Alvarez/AP
Luis M. Alvarez/AP

EUA e Iêmen acertam plano para luta contra terrorismo

Reunião de ministros de países aliados da nação árabe discutirá desenvolvimento iemenita

Reuters,

21 de janeiro de 2010 | 22h21

Os Estados Unidos e o Iêmen se comprometeram nesta quinta-feira, 21, a criar um plano de desenvolvimento para apoiar ações contra terrorismo no país do Oriente Médio, onde a ameaça dos militantes da Al-Qaeda é crescente.

 

Os dois países concordaram que um encontro de ministros de nações apoiadoras do Iêmen no próximo dia 27 em Londres deve focar em melhorar o funcionamento do governo iemenita e o desenvolvimento econômico da nação.

 

"Vemos resultados nos esforços de contraterrorismo e queremos ver resultados similares no que se refere ao desenvolvimento", disse a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, após um reunião com o ministro das Relações Exteriores do Iêmen, Abubakr al-Qirbi.

 

O encontro dos funcionários em Washington aconteceu após uma crescente preocupação dos Estados Unidos e outros países com as atividades da Al-Qaeda no Iêmen.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

linkReino Unido suspende voos diretos com o Iêmen, diz Brown

linkONU e EUA anunciam novas medidas de restrições à Al-Qaeda

linkContra terrorismo, Iêmen deixa de emitir vistos em aeroportos

 

A instabilidade no país despertou o temor de que a Al-Qaeda explore o caos para fortelecer sua base iemenita e planeje ataques contra os Estados Unidos e outras nações dali.

 

Funcionários norte-americanos disseram que o nigeriano que tentou explodir um avião nos Estados Unidos no Natal foi treinado pela Al-Qaeda iemenita.

 

Al-Qirbi disse a jornalistas que enfatizou a Clinton o "compromisso (do Iêmen) para seguir lutando contra o terrorismo e contra a radicalização", mas que eram necessários mais recursos para o desenvolvimento do país.

 

Hillary destacou que a Agência para o Desenvolvimento Internacional firmou um acordo há três anos para dar ao Iêmen 121 milhões de dólares em assistência para o desenvolvimento da nação.

 

"O êxito desta inversão depende da habilidade do Iêmen para fazer as duras decisões que são necessárias para melhorar a capacidade de governar, reformar sua economia, proteger os direitos humanos, combater a corrupção e criar um melhor ambiente para os negócios e a inversão", afirmou a secretária.

 

A reunião da próxima semana em Londres tentará mobilizar ajuda internacional para o Iêmen e identificar o que o país e seus aliados têm de fazer para solucionar os problemas da nação árabe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.