EUA e Mianmar terão reuniões após libertação de Aung San Suu Kyi

'Queremos dialogar com Mianmar e ver o que planeja fazer com outros presos políticos', diz Philip Crowley

Efe,

16 de novembro de 2010 | 03h26

Os Estados Unidos planeja se reunir com o novo governo de Mianmar nas próximas semanas, reavaliando sua estratégia diplomática para o país asiático após a libertação da dissidente Aung San Suu Kyi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz.

"Vamos ter reuniões com o governo birmanês nas próximas semanas" disse na segunda-feira, 15, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Philip Crowley em sua entrevista coletiva diária.

Segundo ele, "há um novo governo que infelizmente não chegou ao poder mediante um processo político legítimo, mas queremos dialogar com Mianmar e ver o que planeja fazer com outros presos políticos".

Crowley indicou que os Estados Unidos estão dispostos a ter contatos com o Executivo birmanês, "mas há coisas que Mianmar tem de fazer".

O porta-voz acrescentou que os Estados Unidos estão vigiando de perto se as autoridades birmanesas respeitam a liberdade de Suu Kyi, que foi libertada no sábado passado após sete anos de prisão domiciliar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.