EUA e Rússia estudam novas medidas em relação ao Irã

Países dão prioridade à resolução diplomática, mas consideram outras medidas caso sejam necessárias

Reuters,

19 de outubro de 2009 | 11h16

Os EUA e a Rússia estão de acordo quanto à necessidade de avaliar novas medidas contra o Irã se não houver uma solução diplomática para conter o programa nuclear da República Islâmica, disse a secretária americana de Estado, Hillary Clinton, numa entrevista concedida nesta segunda-feira, 19.

Em sua visita a Moscou na semana passada, Hillary não obteve promessas específicas de sanções mais duras ao Irã, mas ela afirmou na entrevista que há um consenso com o Kremlin sobre como proceder.

"Concordamos em fazer da diplomacia a prioridade com o Irã. Mas, se não tivermos sucesso, vamos considerar outras medidas", disse Hillary na entrevista, feita pela edição russa da Newsweek e publicada no jornal alemão Die Welt.

Ela descreveu suas conversas com as autoridades russas como "muito construtivas", e disse haver "plena concordância" sobre o caminho a trilhar. Elogiou também Moscou por não ter levado adiante seus planos para entregar mísseis avançados S300 a Teerã.

"Até agora, eles não entregaram nenhum sistema de foguetes ao Irã. Vemos isso como um bom sinal", declarou ela, de acordo com a versão traduzida para o alemão.

A secretária também reiterou que os EUA querem cooperar com a Rússia na questão da defesa antimísseis, depois de o governo de Barack Obama ter abandonado os planos de seu antecessor, George W. Bush, para construir um escudo antimísseis na Europa Oriental, ideia à qual os russos se opunham.

"Na questão do escudo antimísseis, estamos muito abertos à cooperação com os russos. Deixamos isso claro a eles. Acreditamos que uma defesa antimísseis conjunta faça sentido", disse Hillary.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.