EUA e Rússia mantêm discordâncias por escudo antimísseis

Terminou sem acordo na terça-feira umareunião entre Rússia e Estados Unidos a respeito do projetonorte-americano para instalar um escudo antimísseis no LesteEuropeu, tradicional área de influência de Moscou. O assunto foi discutido durante seis horas na capital russapelo ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, e asecretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, e osministros de Defesa, Anatoly Serdykov e Robert Gates. SegundoLavrov, eles concordaram em estudar mais profundamente aspropostas dos EUA. As negociações já duram quase seis meses. "Como questão de princípio as posições dos nossos doislados não mudaram", disse Serdyukov. Os EUA pretendem instalar radares e mísseis na Polônia e naRepública Tcheca, como proteção contra o Irã e outros "Estadospárias". Moscou diz que o escudo afeta o equilíbrio estratégicoe ameaça a segurança da própria Rússia, que ameaça voltar seusmísseis nucleares contra a Europa, como fazia na época daGuerra Fria. Falando a jornalistas após o encontro, Rice e Lavrovpareciam amistosos e animados. Trocaram anotações e riramjuntos quando um repórter russo a tratou como "sra. Gates". A última reunião com os quatro ministros havia sido emoutubro, também em Moscou. Rice disse ter havido progressos na redação de um acordoque moldaria as relações russo-americanas nos próximos anos.Segundo uma autoridade norte-americana, o documento estabelececerca de 20 tópicos de interesse mútuo e de cooperação emquatro áreas -- economia, segurança, armas de destruição emmassa e terrorismo. Mas não há acordo sobre como substituir o tratado Start,relativo ao controle de armas, que expira em 2009. Washingtonresiste à pressão de Moscou por um novo tratado pleno. Disputas entre Rússia e EUA a respeito do escudoantimísseis, da independência de Kosovo, da guerra no Iraque edos direitos humanos na Rússia fazem alguns observadorestraçarem paralelos com a época da Guerra Fria. Mas os laços econômicos são vibrantes. O comércio bilateralsubiu para 17,5 bilhões de dólares em 2007 (aumento de 2,5bilhões de dólares em um ano), e empresas norte-americanasestão investindo fortemente na Rússia. (Reportagem adicional de Sue Pleming e Oleg Shchedrov)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.