EUA efetuam quase 200 prisões em repressão ao tráfico humano na fronteira

Autoridades dos Estados Unidos efetuaram quase 200 prisões e apreenderam mais de 625 mil dólares em lucros ilegais em uma operação de repressão ao tráfico humano que durou um mês, em resposta a um aumento da imigração ilegal no Estado do Texas, informou o Departamento de Segurança Interna do país.

REUTERS

23 de julho de 2014 | 08h39

O secretário de Segurança Interna, Jeh Johnson, disse em um comunicado que a campanha enfatiza o compromisso do governo de que as fronteiras norte-americanas não estão abertas à imigração ilegal "e que se você entrar nos EUA ilegalmente, vai ser mandado de volta".

"Igualmente importante, aqueles que exploram imigrantes para obter ganhos financeiros serão perseguidos, presos e processados", acrescentou ele no comunicado divulgado na terça-feira.

Johnson disse que o governo enviou equipes extras ao Vale do Rio Grande, no Texas, no final de junho para combater as operações de entrada ilegal no sudoeste da fronteira norte-americana.

"Em menos de um mês da operação, 192 traficantes e seus associados já foram presos com base em acusações criminais, mais de 501 imigrantes sem documentos foram levados sob custódia e mais de 625 mil dólares em lucros ilegais foram confiscados em 288 contas bancárias mantidas por organizações de tráfico humano e de drogas", disse o secretário.

O governo do presidente Barack Obama tem se empenhado em enfrentar o aumento na entrada de crianças sem documentação através das fronteiras ao sul do país.

Nos últimos nove meses terminados em 30 de junho, mais de 57 mil crianças foram apreendidas na fronteira entre o México e os EUA, a maioria proveniente da América Central. O número é dobro do registrado em todo ano passado, de acordo com dados do governo norte-americano.

(Reportagem de Peter Cooney)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMIGRANTESPRISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.