EUA espera apoio amplo à indicação de Kim para o Banco Mundial

Jim Yong Kim, o indicado dos Estados Unidos para presidir o Banco Mundial, vai receber amplo apoio internacional, apesar das candidaturas sem precedentes dos países emergentes, disse em entrevista o secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner.

REUTERS

24 Março 2012 | 18h05

A hegemonia de Washington sobre o Banco Mundial é contestada pela primeira vez por candidatos de economias emergentes. Dois respeitados economistas diplomatas, o ministro das Finanças da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala, e o ex-ministro das Finanças da Colômbia José Antonio Ocampo foram indicados.

Kim, americano-coreano e especialista em saúde, é conhecido por sua luta contra a Aids e por levar assistência médica aos pobres. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o indicou para o cargo na sexta-feira.

"O presidente queria um candidato que pudesse reunir apoio internacional amplo", disse Geithner à Reuters, numa entrevista divulgada neste sábado. "Isso é muito importante, porque nós não tomamos essa decisão sozinhos."

Geithner disse que as candidaturas dos países emergentes não foram uma surpresa. "Esperávamos que isso ocorresse, e achamos que é isso é bom para a instituição. Mas posso dizer que pelas minhas conversas Kim vai ter amplo apoio."

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Mais conteúdo sobre:
EUA BIRD KIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.